Inter de Milão se ‘renova’ para fidelizar torcedores pelo mundo



Giuliano Giorgetti, diretor da Inter de Milão (Foto: Divulgação)

Giuliano Giorgetti, diretor da Inter de Milão (Foto: Divulgação)

A Inter de Milão desenvolveu e apresentou uma nova identidade para marca, adotando um projeto chamado Inter Media House. Um aplicativo foi desenvolvido, a estrutura de mídia do clube ganhou cara nova… Tudo com o objetivo de gerar mais conteúdo original e cativar torcedores fora da Itália, especialmente na América do Sul e na China.

Diretor de Novas Mídias do clube italiano, Giuliano Giorgetti fala à coluna sobre expectativa da ação nerazzurra. Para ele, “competir em campo é parte sempre importante do negócio, mas não a única”.

A Inter está com uma nova identidade com o projeto Inter Media House, mudando a cara da TV interista, lançando aplicativo, tentando aproximar o torcedor do clube. No aspecto da fidelização ao redor do mundo, como essa novidade pode contribuir?
A Internazionale é uma grande marca com quase 110 anos de história, que serão completados em 9 de março de 2018. É uma marca conhecido em todo o mundo graças às vitórias em campo. Pensamos que hoje o futebol mudou e que competir em campo é uma parte sempre importante do nosso negócio, mas não a única. Oferecer maiores conteúdos e experiência aos nossos torcedores em todo o mundo é a melhor estratégia para manter ativa a nossa relação, onde quer que eles estejam, por meio de qualquer dispositivo e em qualquer momento.

Há alguma inspiração em outro projeto similar, especialmente no que diz respeito ao aplicativo lançado?
Os projetos que inspiraram a criação da Media House são vários, todos afundam as raízes no fato de que cada marca é de mídia. Seguramente Lego, Mlbam e Red Bull são os casos mais significativos.

Quais são os objetivos da Inter em relação às mídias digitais? É se tornar a mais forte da Itália ou o pensamento voa mais alto?
Temos a grande expectativa de aumentar a nossa base de torcedores e engajar sempre mais os nossos fãs. Inter é a marca com o nível mais alto de engajamento na Itália. Nossos objetivos são crescer sempre mais no exterior em mercados estratégicos como América do Sul e Ásia.

Acha que o desafio da Inter fica mais difícil, sobretudo porque a Juventus ganhou tudo na Itália nos últimos anos? O quanto é importante o desenvolvimento esportivo para o sucesso no mundo digital?
Seguramente as vitórias no campo facilitam o trabalho atrás de uma mesa no escritório. Mas amadurecemos a consciência que para se tornar um grande clube devemos estabilizar o mercado de maneira independente dos resultados esportivos. O investimento no Inter Media House represente um sinal concreto dessa visão.

Sem dúvida, o mercado chinês é muito importante, porque grandes investimentos recentes vieram de lá. Mas como a Inter vê o mercado sul-americano?
O legado de jogadores sul-americanos que fizeram história no nosso clube, Ronaldo no Brasil e Zanetti na Argentina, facilita nossa estratégia de expansão. É claro que é difícil conquistar mercado em países nos quais a cultura futebolística é tão evoluída e muitos torcedores são ligados às marcas locais. Mas temos a intenção de criar e publicar sempre mais conteúdos nas línguas locais, adequados ao mercado local.

E especificamente em relação ao Brasil? É mais difícil chamar a atenção dos torcedores porque as nossas estrelas estão em outros países e não na Itália?
Penso que o desafio é poder transmitir a marca Inter ao contar histórias que não são apenas relacionadas ao campo, queremos explorar novas sensações e atrair diferentes alvos.

Acredita que o futebol italiano voltou à rota para voltar a ser o terceiro mais importante, logo atrás de Inglaterra e Espanha?
O caminho é ainda muito longo e vai passar por escolhas corajosas. O futebol é cíclico e penso que o futebol italiano está em fase de ascensão. O fato de atrairmos capital estrangeiro mostra isso. Os clubes italianos voltaram a competir na Europa. Espero que a Inter também o possa fazer na próxima temporada.

A oferta de conteúdo original feita pelos clubes é uma tendência crescente. Como fazer para que o torcedor acredito que o conteúdo não é só uma fantasia longe da realidade?
As câmeras entram sempre mais na vida de um clube e contam histórias com sensibilidade mais diferente das típicas entrevistas e ações do futebol. Quem melhor do que nós pode conhecer os valores da nossa marca e os hábitos dos jogadores? No futuro, estaremos em um grau de contar história sobre música, moda, cozinha, envolvendo cada vez mais os nossos atletas.



MaisRecentes

Presidente da Federação Paulista lamenta calendário apertado em 2018



Continue Lendo

Brasileiro de Aspirantes terá ajuda de custo e passagens bancadas pela CBF



Continue Lendo

Galiotte e Modesto em clima de paz: ‘É um dos mais éticos’, elogia o santista



Continue Lendo