Derrubada geral da chapa de Nuzman no COB ainda não é articulada



Mesmo com Carlos Arthur Nuzman preso e a gestão do COB estando em xeque por causa do envolvimento de seu presidente em denúncias de compra de voto, ainda não há um movimento robusto por impeachment ou novas eleições no Comitê.

A oposição, capitaneada por Alaor Azevedo, da Confederação Brasileira de Tênis de Mesa, nunca esteve satisfeita, mas também não gerou uma articulação em massa para forçar novas eleições.

Até porque estatutariamente Paulo Wanderley, vice de Nuzman, tem direito a ficar no cargo o quanto for necessário na vacância do dirigente preso.

A coluna apurou que as confederações filiadas ao COB não têm nada que justificasse um movimento contra Wanderley, que comandou o judô nacional por 15 anos.



MaisRecentes

Fernanda Colombo deixa a arbitragem, lança livro e quer ser comentarista



Continue Lendo

Audiência pública promete pressionar políticos contra MP que retira recursos do esporte



Continue Lendo

Técnico brasileiro Milton Mendes renova mais alta licença da Uefa para técnicos



Continue Lendo