Importação de equipamento ainda é entrave para o árbitro de vídeo



Coronel Marinho, chefe do apito nacional (Foto: Igor Siqueira)

Coronel Marinho, chefe do apito nacional, que está cuidando da operação (Foto: Igor Siqueira)

Enquanto os árbitros passam pelo treinamento em Águas de Lindóia, a CBF segue “remando” para tentar viabilizar equipamentos visando à implantação do árbitro de vídeo. A entidade está recebendo propostas de empresas nacionais e internacionais para a operação. Um obstáculo que ameaça emperrar o processo é a necessidade de importação de equipamentos para montagem do local em que as imagens (que virão da Globo) serão analisadas. É preciso aparato suficiente para 10 jogos simultâneos.

A CBF está estudando alternativa de usar equipamentos nacionais, mas é preciso verificar ainda se isso atenderia aos requisitos técnicos determinados pelo Ifab. E mesmo assim ainda não haveria maquinário suficiente para todos os jogos de uma rodada da Série A. O planejamento é realizar, antes da implantação para valer, dois testes offline (quando o aparato é montado, mas as decisões não influenciam na partida e nem há contato com o árbitro principal).



  • Etienes R

    Isso sim preocupa, o fato de se introduzir empresas na operação; outra coisa é: Porque as imagens tem que ser cedidas pela REDE GLOBO? Exigência do chamado PROTOCOLO Fifa. Se se quer automia não deveria a CBF, gerar as imagens do jogo?

MaisRecentes

Vice geral do Flamengo minimiza discussão com colega de diretoria



Continue Lendo

Presidente eleito da Federação Mineira vê clubes de BH no mesmo nível de SP e RJ



Continue Lendo

Del Nero promete solução na segunda-feira para transmissão dos jogos da Seleção



Continue Lendo