Vadão está de volta à Seleção Brasileira feminina



Vadão durante a Rio-2016

Vadão durante a Rio-2016

O técnico Osvaldo Alvarez, do Vadão, está de volta ao comando da Seleção Brasileira feminina. Uma reunião com o presidente da CBF, Marco Polo Del Nero, sacramentou a contratação do treinador, que substitui Emily Lima, demitida na sexta-feira passada.

Vadão deixou a Seleção feminina após a Rio-2016, justamente para dar lugar a Emily. Mas a CBF optou pelo retorno do técnico, que trabalhou recentemente no Guarani, na Série B do Brasileiro e quase acertou com a Ponte Preta.

A demissão de Emily teve como gatilho os resultados recentes da Seleção feminina, que enfrentou adversários robustos, como Austrália e Estados Unidos. Mas as cinco derrotas nos últimos seis jogos não foram os únicos itens colocados na balança para a tomada de decisão.

Como a própria Emily expôs ao sair, a relação com o coordenador Marco Aurélio Cunha estava desgastada. A corda estourou para o lado da treinadora porque o presidente Marco Polo Del Nero também perdeu a confiança no trabalho dela.

A gota d’água foi a informação de que um grupo de jogadoras pediu, ainda na Austrália, a permanência da treinadora no cargo, mesmo antes de qualquer rumor sobre demissão. Ou seja, isso foi interpretado pelo comando da CBF como um risco à hierarquia na Seleção feminina, já que poderia abrir brecha para convocações por “gratidão” pela defesa da permanência da treinadora.

Mas, antes mesmo desse episódio, os pontos de vista de Emily – -tão celebrada por ser a primeira mulher a dirigir a Seleção – já não estavam indo no mesmo sentido dos superiores. Houve uma diferença de pensamento, por exemplo, a respeito de até onde iriam as atribuições da técnica da Seleção.

Vadão e Marco Aurélio Cunha têm boa relação. Ambos se entenderam bem no processo de formulação da Seleção permanente, em um cenário em que poucas meninas atuavam fora do país. Mas, com a exposição das brasileiras nas competições internacionais, inclusive sob a batuta de Emily Lima, o cenário atualmente é distinto, com várias jogadoras defendendo clubes no exterior.

Vadão volta à Seleção com respaldo. Mesmo com o time feminino tendo saído sem medalha da Rio-2016, a visão é que ele fez um bom trabalho na primeira passagem e que a queda no Rio foi em jogo atípico, contra uma Suécia retrancada, e nos pênaltis.

Independentemente de quem tenha razão na discussão – Emily ou a CBF -, o fato é que a entidade “bateu cabeça” na condução da Seleção feminina. E agora tenta, com uma receita antiga, recomeçar um projeto em busca de sucesso.



MaisRecentes

Governo admite que errou em MP que retira recursos do esporte



Continue Lendo

Sem resposta de Zé Ricardo, Milton Mendes entra no radar do Botafogo



Continue Lendo

Novo diretor de futebol do Fluminense, Paulo Angioni tem três nomes para lugar de Abel Braga



Continue Lendo