Licenciamento vira argumento de CBF e clubes para minimizar liminar contra exigência de CND



A liminar que derruba a obrigação de apresentação de CND para disputar competições foi assunto entre os clubes e a CBF em reunião nesta terça-feira. A tática agora é mostrar que ninguém é contrário a métodos de controle das finanças, mas que isso seja feito por dispositivos criados pelas próprias organizações esportivas. A bola da vez para isso, neste caso, é o licenciamento de clubes.

O licenciamento estipula pré-requisitos para que os clubes recebam permissão para atuarem nas competições. E os critérios abrangem várias áreas, como organizacionais e estruturais. A declaração dada à coluna pelo presidente do Santos, Modesto Roma, exemplifica esse pensamento:

– A liminar não é um afrouxamento da seriedade do Fair Play Financeiro, mas sim um início para os próprios clubes trabalharem nisso. O próprio trabalho que estão fazendo sobre o licenciamento de clubes. É um trabalho sério, precisa ser valorizado. Não é que clubes e CBF não querem fair play financeiro. Queremos, sim – disse Modesto, que teve a companhia de dirigentes de outros cinco clubes.

Leco e Mauricio Galiotte representaram, respectivamente, São Paulo e Palmeiras na reunião. O emissário do Atlético-PR foi Mario Celso Petraglia, mesmo este estando afastado das funções de presidente do Conselho Deliberativo. Marcelo Sant’Ana representou o Bahia. O Coritiba também participou do encontro. Ao saírem, foram despedidos pelo diretor executivo de gestão da CBF, Rogério Caboclo.



  • Carlos Roberto dos Santos

    7 x1 ETERNO

  • Matheus

    Os paulistas sempre comandando esse movimento… Não a toa elegeram o presidente da cbf (esse mesmo que não pode deixar o país)

MaisRecentes

Del Nero promete solução na segunda-feira para transmissão dos jogos da Seleção



Continue Lendo

Presidente da Ferj tira terceira licença em 2017



Continue Lendo

Vasco convive com atrasos salariais, mas mantém ascensão no Brasileiro



Continue Lendo