Del Nero exige que Brasileirão tenha árbitro de vídeo na próxima rodada



Coronel Marinho, chefe do apito nacional (Foto: Igor Siqueira)

Coronel Marinho, chefe do apito nacional (Foto: Igor Siqueira)

O gol de Jô contra o Vasco, marcado com o braço, desencadeou uma reação imediata na CBF a respeito do árbitro de vídeo. O presidente Marco Polo Del Nero já mandou dizer aos que trabalham na comissão de arbitragem para que haja mobilização com o intuito de que a tecnologia já seja usada na próxima rodada do Brasileirão.

Eurico Miranda, presidente do Vasco, ouviu a intenção da CBF em reunião nesta segunda-feira na entidade. Coronel Marinho, presidente da comissão de arbitragem, agora trabalha a toque de caixa para viabilizar o sistema para os jogos do fim de semana.

Sérgio Corrêa, que vinha acompanhando em nome da CBF o desenvolvimento do árbitro de vídeo, está no Paraguai acompanhando o treinamento da Conmebol para usar o sistema na Libertadores. Mas já foi avisado: terá que voltar ao Brasil imediatamente para contribuir no processo.

Resta saber se o tiro não irá sair pela culatra, já que os árbitros não foram treinados ainda. Três dos árbitros considerados de elite do Brasil estão no Paraguai para o curso: Sandro Meira Ricci, Wilton Pereira Sampaio e Anderson Daronco.

A CBF, que resistia até agora sob o argumento de ser muito caro usar o árbitro de vídeo, sabe que talvez não dê tempo operacionalizar tudo para a próxima rodada. Mas aí o árbitro de vídeo estrearia na rodada seguinte.

Vale lembrar que testes já foram feitos pela CBF em partidas amistosas na Granja Comary.

A QUESTÃO DO DINHEIRO

Em entrevista recente ao LANCE!, o diretor executivo de gestão da CBF, Rogério Caboclo, explicou que o dinheiro era um obstáculo para a implantação imediata do árbitro de vídeo.

– Sob o aspecto técnico, a gestão é 100% da comissão de arbitragem. Mas sob o aspecto administrativo, isso envolve vários departamentos da CBF. É uma decisão conjunta que tem que ser tomada. É altamente dispendiosa. O aparato tecnológico para fazer a cobertura do Brasil é quase igual ao da Europa inteira, às custas da CBF. Estamos trabalhando para baratear e queremos implantar a curto prazo. Existem duas questões: primeira é a conclusão da formatação técnica, aprovação e depois a gestão de custos. Como disse, é caro. Hoje, está em torno de R$ 12 milhões para uma competição – disse Caboclo na ocasião.



MaisRecentes

Árbitros da Ferj estão sem receber parte dos pagamentos



Continue Lendo

Fora de São Paulo, Paraná lidera número de visitantes na Arena Corinthians



Continue Lendo

Marca ‘Flamengo’ recebe selo de ‘Alto Renome’ e ganha proteção no mercado



Continue Lendo