Grêmio vê cadastro biométrico de torcedores como aliado. Entenda o motivo



Thiago Floriano, supervisor do Supervisor do Departamento do Torcedor Gremista (Foto: Reprodução)

Thiago Floriano, supervisor do Supervisor do Departamento do Torcedor Gremista (Foto: Reprodução)

Superintendente do departamento do Grêmio responsável pelo cadastramento biométrico dos torcedores, Thiago Floriano explica desafios do projeto e vê identificação de quem vai ao estádio como ferramenta contra os baderneiros

Por que o Grêmio decidiu instalar a biometria na Arena?
Isso começou a ser discutido ano passado e um Termo de Ajustamento de Conduta foi assinado. É chance de mais controle, identificação visualizada, aderência ao Estatuto do Torcedor e também uma forma de alimentar esse circulo virtuoso de ter mais chance de identificar torcedor quando tem confusão. Estabelecemos alguns acordos e foi instalado o sistema na Arena. Começamos pelo setor Norte, onde ficam as organizadas, e a intenção é, com o tempo, estender isso para outros setores do estádio, de forma gradativa.

No começo de agosto, o número de cadastrados era o de 4 mil. Era um volume que vocês previam?
Já tivemos uma perna de cadastro ano passado, foi em outubro. Teve um prazo em 90 dias a partir do acordo para azeitar o processo. Foram 500, 600 ano passado. Agora é o processo propriamente dito que acordamos no TAC, um sistema mais robusto de software e hardware. Não tínhamos uma ideia de adesão, porque o cadastro vai ser eterno. Daqui a um ano podemos ter 40 mil cadastrados, mas creio que é um número satisfatório.

O clube se viu obrigado ou assinou o TAC porque acha a ideia boa?
O cenário que tínhamos era torcida punida e a necessidade de ter todos elementos que fazem torcida forte, como instrumento, bandeira… Então, queríamos liberar a festa e, em contrapartida, o Ministério Público exigiu algumas coisas. Uma delas foi a biometria. Foi um processo que atendeu à demanda e à nossa necessidade. Inclusive, ajudou na campanha da Copa do Brasil do ano passado. Se não assinássemos, não teríamos nada no estádio.

Qual o tamanho do investimento feito pelo clube? A Arena ajudou?
O investimento do Grêmio foi de R$ 520 mil. No total, foi R$ 800 mil. A Arena completou a segunda parte. Não é um valor irrelevante, mas, pela análise de mercado sobre o produto, é o valor adequado.

Como é a relação com a administração da Arena a respeito disso?
Via de regra, procuramos sempre alinhar os interesses que a gestora tem com os interesses da torcida. Esse é nosso papel na diretoria. Na maioria das vezes, temos entendimento comum. A visão às vezes é diferente da torcida. E aí temos que fazer um meio-campo para não ter tensões.

As organizadas reclamaram muito?
As organizadas vêm em um processo de adaptação ao Estatuto do Torcedor desde o final de 2015. O principal onda de reclamação foi depois que foi aberto para a torcida como um todo, muito por falta de entendimento. Conforme fomos mostrando que estava aberto a entender a demanda da torcida, as reclamações foram acalmando. Não que haja unanimidade, é um tema delicado, polêmico, que muda paradigma. Desde ano passado as torcidas vêm se cadastrando. Quando foi aberto para todo o público, em 23 de junho, aí o tema voltou à tona. É bom deixar claro que, da mesma forma que houve reclamação, houve aceitação e apoio, conforme as explicações foram dadas,

Qual foi o aparato adquirido para colocar a biometria em prática?
Foi adquirido um software para rodar, um servidor para ler o banco de dados da biometria e dar velocidade na identificação. Compramos monitores para colocar em cima das catracas e na bilheteria exclusiva para fazer biometria. É um contêiner para 18 guichês e estrutura para eles. A biometria visa ao controle, segurança e ordem. Não podemos ter descontrole na implantação nesse sistema. Se o sistema cair? O acesso vai ser sem a biometria, como se fosse hoje.

Como entende que deve ser a abordagem sobre a biometria?
É um tema que tem que ser tratado de forma aberta, sem negligenciar nenhum dos pontos. Tem que informar. Aí, as polêmicas e dúvidas se arrefecem. Não encaramos como dor de cabeça. Isso vem na esteira de conscientizar o torcedor de que existe instrumento para individualizar a responsabilidade. Esconder-se na multidão está cada vez mais difícil. Isso para o clube é bom, porque preserva o estádio forte, com materiais liberados e afasta quem faz algum tipo de baderna. Nos últimos 20 anos, as punições coletivas foram reiteradas e não fizeram efeito.



MaisRecentes

Detalhe técnico pode impossibilitar obra no campo do clube Everest



Continue Lendo

Mesmo debilitado, Eurico Miranda mostra sua força na política do Vasco



Continue Lendo

Apesar de decisão da Justiça, clubes apoiam Caboclo na CBF



Continue Lendo