Ação do MP contra CBF tem dúvida de juiz sobre competência



O juiz Guilherme Schilling, que recebeu a ação civil pública movida pelo Ministério Público do Rio contra a CBF pela assembleia geral que mudou o estatuto, deu despacho que deixou a entidade satisfeita. Ele não apreciará qualquer petição até que haja definição sobre qual setor do MP tem a competência para atuar no processo. A representação contra CBF chegou tanto na Promotoria de Cidadania quanto na do Consumidor. A segunda é chefiada pelo promotor Rodrigo Terra, autor da ação civil.

Quem vai definir o “dono” da competência é a Procuradoria-Geral de Justiça. Ou seja, pode ser que Rodrigo Terra não atue mais no caso, já que a competência corre risco de ir para outra promotoria. Vale lembrar que o pedido de liminar feito por ele envolve a invalidação da assembleia – que mudou o colégio eleitoral sem a presença dos clubes na reunião – e o afastamento da diretoria da CBF.



MaisRecentes

Jogadores do Palmeiras receberam ‘mala branca’ do Boca Juniors para vencer na Libertadores



Continue Lendo

Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro está dividida sobre o Everest



Continue Lendo

Diretoria do Vasco usa embargos na Justiça para que caso “HD do Vasco” não termine logo



Continue Lendo