Em defesa no MP, CBF diz que só os clubes podem questionar mudança em seu estatuto



A CBF apresentou nesta semana sua defesa no inquérito do Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) que apura descumprimento à Lei Pelé na Assembleia que alterou o estatuto da entidade, em março. O argumento da CBF é que só os clubes podem questionar a validade ou não da mudança em seu documento. O inquérito no MP-RJ foi instaurado após representação feita pelo deputado federal Otávio Leite (PSDB-RJ), relator do Profut, que pediu o cancelamento da Assembleia pela não convocação dos clubes.

Na ocasião, a CBF aumentou o número de clubes em seu colégio eleitoral com a inclusão dos times da Série B, mas deu maior peso no voto das federações estaduais, o que manteve o poder nas mãos das entidades. A defesa da CBF foi entregue no MP-RJ na última terça-feira.

Apesar do argumento, pesa contra a entidade que comanda o futebol brasileiro o fato da não convocação dos clubes constar na ata da Assembleia, o que descumpre norma da Lei Pelé aprovada no Profut. Segundo informações da coluna, esse fato faz do inquérito ser um “caso sem maiores complexidades” (leia mais aqui).



MaisRecentes

Gestão de associação coloca clubes de Santa Catarina na vanguarda do futebol



Continue Lendo

Internet e canais de filmes podem transmitir jogos do Brasileirão a partir de 2019



Continue Lendo

Zagueiro Igor Rabello pode deixar o Botafogo e se transferir para a Itália



Continue Lendo