Crise econômica reduz receitas com bilheteria e sócio-torcedor no país



A crise econômica do país tem impactado o bolso do torcedor e, consequentemente, as receitas movimentadas pelo futebol brasileiro. Uma das áreas que tem sentido as consequências da baixa na economia do país é o de bilheteria e sócio-torcedor, cuja arrecadação em 2016 sofreu uma queda de 10% em relação à temporada anterior. O dado é do levantamento realizado pelo Itaú BBA com os 27 maiores clubes de futebol do Brasil.

Segundo o estudo, o valor movimentado por bilheteria e sócio-torcedor no ano passado foi de R$ 606 milhões, com os programas de sócio representando 51,4% do total. Já na temporada de 2015, a receita na área havia sido de R$ 634 milhões. Em valores nominais (que não consideram a inflação no período), essa foi a primeira queda na arrecadação dessa fonte de receita para os clubes de futebol desde 2010, quando o total atingiu R$ 304 milhões.

Segundo a instituição financeira, “num momento de recessão, há encolhimento na demanda e consequementemente no ticket médio” no Campeonato Brasileiro de 2016, que passou de R$ 39,39 em 2015 para R$ 35,41 (valores corrigidos pelo IPCA). O banco cita também como fatores para a queda na arrecadação a redução de 9% no público médio dos jogos da competição, que passou de 16.733 para 15.520 nos dois últimos anos.



MaisRecentes

Detalhe técnico pode impossibilitar obra no campo do clube Everest



Continue Lendo

Mesmo debilitado, Eurico Miranda mostra sua força na política do Vasco



Continue Lendo

Apesar de decisão da Justiça, clubes apoiam Caboclo na CBF



Continue Lendo