‘Feijó foi um calo nas investigações da CPI’, diz Romário sobre vice da CBF investigado pela PF



O senador e ex-jogador Romário publicou em sua página nas redes sociais um texto sobre a operação “Bola Fora” da Polícia Federal (PF) que cumpriu, nesta sexta-feira, um mandato de busca e apreensão na casa de do vice-presidente da CBF, Gustavo Feijó. O dirigente é investigado pelo crime de “Caixa 2” na campanha em que se elegeu prefeito da cidade de Boca da Mata-AL, em 2012, em recursos que foram repassados pela CBF.

A ação teve como base informações compartilhadas junto ao Ministério Público Eleitoral (MPE) pela CPI do Futebol, da qual Romário foi presidente.

No texto, intitulado “CPI do Futelbol dando frutos!”, o senador diz que Feijó “foi um calo nas investigações” feita pela comissão no Senado e cita que os trabalhos foram prejudicados após a convocação de Feijó para depor na CPI em iniciativa de representantes da “Bancada da CBF” no Congresso.

Veja abaixo o texto de Romário sobre as investigações sobre o vice da CBF.

CPI do Futebol dando frutos!

A ótima notícia de hoje é a “Operação Bola Fora” da Polícia Federal (PF), que cumpre mandados de busca e apreensão contra o vice-presidente da CBF, Gustavo Feijó. A operação é fruto do compartilhamento de informações da CPI do Futebol com o Ministério Público Eleitoral (MPE). Gustavo Feijó é suspeito de ter praticado crime de “caixa 2” na campanha eleitoral de 2012 para se eleger prefeito da cidade de Boca da Mata, em Alagoas. Os recursos não declarados à Justiça Eleitoral foram repassados pela CBF, conforme apontou a investigação da CPI.

Esse Gustavo Feijó foi um calo nas nossas investigações. Por que depois que aprovamos a convocação dele, o senador Ciro Nogueira, representando a Bancada da CBF, pediu a anulação da sessão e Renan Calheiros, então presidente do Senado, anulou. A ação deles foi completamente arbitrária e ilegal, a convocação de Gustavo Feijó e de outras pessoas, como Ricardo Teixeira e Marco Polo Del Nero, foi suspensa, mesmo cumprindo o regimento do Senado. Isso travou a CPI por meses e limitou o trabalho de investigação.

Fico muito feliz que os órgãos competentes, como o MPE e a PF, estejam dando prosseguimento ao trabalho iniciado por mim na CPI do Futebol. Os resultados de uma investigação nem sempre são imediatos, tenho certeza que o que conseguimos provar ainda vai dar muita dor de cabeça para aqueles que fazem do futebol um ofício criminoso.



MaisRecentes

Diretor da Chape compara permanência na Série A a título da Champions League



Continue Lendo

Botafogo sai da lista de clubes formadores da CBF. Coritiba retorna



Continue Lendo

Entidades buscam nome para preencher vaga no Tribunal Antidopagem



Continue Lendo