‘Feijó foi um calo nas investigações da CPI’, diz Romário sobre vice da CBF investigado pela PF



O senador e ex-jogador Romário publicou em sua página nas redes sociais um texto sobre a operação “Bola Fora” da Polícia Federal (PF) que cumpriu, nesta sexta-feira, um mandato de busca e apreensão na casa de do vice-presidente da CBF, Gustavo Feijó. O dirigente é investigado pelo crime de “Caixa 2” na campanha em que se elegeu prefeito da cidade de Boca da Mata-AL, em 2012, em recursos que foram repassados pela CBF.

A ação teve como base informações compartilhadas junto ao Ministério Público Eleitoral (MPE) pela CPI do Futebol, da qual Romário foi presidente.

No texto, intitulado “CPI do Futelbol dando frutos!”, o senador diz que Feijó “foi um calo nas investigações” feita pela comissão no Senado e cita que os trabalhos foram prejudicados após a convocação de Feijó para depor na CPI em iniciativa de representantes da “Bancada da CBF” no Congresso.

Veja abaixo o texto de Romário sobre as investigações sobre o vice da CBF.

CPI do Futebol dando frutos!

A ótima notícia de hoje é a “Operação Bola Fora” da Polícia Federal (PF), que cumpre mandados de busca e apreensão contra o vice-presidente da CBF, Gustavo Feijó. A operação é fruto do compartilhamento de informações da CPI do Futebol com o Ministério Público Eleitoral (MPE). Gustavo Feijó é suspeito de ter praticado crime de “caixa 2” na campanha eleitoral de 2012 para se eleger prefeito da cidade de Boca da Mata, em Alagoas. Os recursos não declarados à Justiça Eleitoral foram repassados pela CBF, conforme apontou a investigação da CPI.

Esse Gustavo Feijó foi um calo nas nossas investigações. Por que depois que aprovamos a convocação dele, o senador Ciro Nogueira, representando a Bancada da CBF, pediu a anulação da sessão e Renan Calheiros, então presidente do Senado, anulou. A ação deles foi completamente arbitrária e ilegal, a convocação de Gustavo Feijó e de outras pessoas, como Ricardo Teixeira e Marco Polo Del Nero, foi suspensa, mesmo cumprindo o regimento do Senado. Isso travou a CPI por meses e limitou o trabalho de investigação.

Fico muito feliz que os órgãos competentes, como o MPE e a PF, estejam dando prosseguimento ao trabalho iniciado por mim na CPI do Futebol. Os resultados de uma investigação nem sempre são imediatos, tenho certeza que o que conseguimos provar ainda vai dar muita dor de cabeça para aqueles que fazem do futebol um ofício criminoso.



MaisRecentes

CBF começa treinar instrutores para curso do árbitro de vídeo



Continue Lendo

Se estrear na próxima rodada, árbitro de vídeo não será para todos os jogos da Série A



Continue Lendo

Licenciamento vira argumento de CBF e clubes para minimizar liminar contra exigência de CND



Continue Lendo