Acertos na parte elétrica e permuta: meios de baratear Parque Olímpico



Foto: Gabriel Heusi/brasil2016.gov.br

Foto: Gabriel Heusi/brasil2016.gov.br

Uma questão que dificulta a projeção exata de custo de operação para cada uma das arenas do Parque Olímpico da Barra tem a ver com energia elétrica. Apesar de as Arenas Cariocas 1 e 2 estarem com o Ministério do Esporte e a Arena 3 ser de responsabilidade da Prefeitura, elas estão conectadas ao mesmo relógio. Ou seja, a cota de luz é “casada”. A ideia, por conta disso, é individualizar a alimentação de eletricidade e também água de cada equipamento.

Outra estratégia para evitar o crescimento de gastos é fazer uma espécie de permuta com organizações ou confederações que utilizam o espaço do Parque para eventos. O plano é simplificar. Em vez de cobrar um montante de aluguel, o que faria com o que o dinheiro demorasse a retornar em forma de investimento para o espaço, o “preço” pelo uso se transforma em um serviço determinado, como ajustes de acabamento necessários após o processo de desmonte da estrutura olímpica. Ainda que seja “pintar uma parede”.



MaisRecentes

Conmebol anunciará veredito do Flamengo na segunda semana de janeiro



Continue Lendo

Presidência da Primeira Liga fica com o América-MG; vice é do Paraná



Continue Lendo

Botafogo recupera certificado de clube formador da CBF



Continue Lendo