CBF consegue vitórias contra ex-patrocinadores na Justiça



Marco Polo Del Nero (Foto: Rener Pinheiro/CBF)

A CBF tem engatado vitórias na Justiça quando o assunto é briga com ex-patrocinadores. A mais recente foi um embate com a BRF (Sadia). Em decisão publicada na semana passada, a Justiça do Rio, em segunda instância, deu razão à entidade por ter transformado a empresa em ré após campanha publicitária feita para a Rio-2016. Nela, o mascote da Sadia aparece usando camisa amarela e calção azul, caracterizando o uniforme da Seleção. Só que a Sadia, que rompeu com a CBF em janeiro de 2016, não tem mais esse direito e corre risco de ser multada se o fizer.

A CBF já tinha se livrado de um processo da Samsung, suspenso no começo do mês passado. Outro embate é com a Mafrig. Em mais uma decisão publicada no mês passado, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) disse não à tentativa da empresa de invalidar a indicação do responsável pela perícia contábil realizada no processo.

Sobre o mérito, a Justiça ainda julgará a apelação de ambas as partes. Na primeira sentença, da 48 Vara Cível, a Mafrig foi condenada a pagar um montante que, ao todo, fica na casa de R$ 60 milhões. A CBF quer receber mais.



MaisRecentes

Zagueiro Felipe Santana, ex-Atlético-MG, pode ir para o futebol alemão



Continue Lendo

Investimento milionário na Granja Comary incomoda dirigentes de clubes da Série A



Continue Lendo

Cargos de vice-presidentes têm gerado desconforto entre grupos políticos no Vasco



Continue Lendo