Diretor de ética da CBF vê ‘desconfiança natural’ sobre novo código, mas aposta no tempo



Deputado federal (PHS-MG) e diretor de ética e transparência da CBF, Marcelo Aro fala sobre o poder político da entidade e a implantação do Código de Ética. Na visão do parlamentar, o tempo provará que a normativa terá efeito no futebol brasileiro

Marcelo Aro é deputado federal (PHS-MG) e diretor de ética e transparência da CBF (Foto: Reprodução)

Marcelo Aro é deputado federal (PHS-MG) e diretor de ética e transparência da CBF (Foto: Reprodução)

Como tem sido a sua atuação na CBF nos últimos tempos?
Elaboramos uma proposta inédita, no tocante à regulação ética. Algo que precisava ser feito e que segue a mais moderna tendência das corporações. Foi um grande desafio, coroado com a implantação.

Qual o avanço que espera com a confecção do código de ética?
Que todas as pessoas relacionadas ao futebol, direta ou indiretamente, tenham a plena convicção de que eventuais deslizes serão objeto de julgamento e punição.

Há quem pense que é “só mais uma normativa” ou que não vai “pegar”?
A desconfiança é natural. Mas tenho a certeza de que o tempo mostrará, aos que ainda questionam, que estamos diante de um importante regramento.

Acha correto que o código de ética não aborde casos passados, apenas desvios de conduta que surgirem a partir de agora?
Sim. Nenhuma legislação punitiva pode retroagir para prejudicar. É um princípio penal constitucional. O Código de Ética é um divisor de águas. Em breve, torcida e imprensa reconhecerão.

O deputado Vicente Cândido é colega de Câmara e diretor da CBF. Acha justificável que ele seja investigado pela comissão de ética por ter sido citado em uma delação?
Ninguém é imune às investigações, que são importantes tanto para a acusação quanto para defesa.

Ainda sobre Cândido… Você, do PHS, defendeu o impeachment, foi ao Congresso com Pixuleco, enquanto ele defendia o lado do PT. Isso de alguma forma ecoou na CBF?
De forma alguma. Faz parte da democracia. A CBF respeita o posicionamento partidário de cada um. Não há qualquer influência da entidade em nossas convicções políticas. Uma coisa é o trabalho de dirigentes, outra é atuação como parlamentares.

Por que considerar a diretoria de ética e transparência importante?
Ela estabelece um marco importante no futebol brasileiro. Ética e transparência são pilares fundamentais, que devem ser estruturados em todas as grandes corporações. Não pode ser diferente em uma entidade da grandeza da CBF.

E a CBF tem um nível satisfatório de transparência?
Sem sombra de dúvida, avançamos muito nessa questão. Muito ainda precisa ser feito. O trabalho diário é para que a instituição se torne referência nesse tema.

Marco Polo Del Nero, Castellar Neto e Marcelo Aro (Foto: Ricardo Stuckert/CBF)

Politicamente, a leitura que muitos fazem é que o pior já passou para Marco Polo Del Nero. Concorda?
Sim. Os resultados dentro e fora de campo demonstram que estamos no caminho certo. Voltamos à liderar o ranking da Fifa e o balanço financeiro comprova que se está diante de uma gestão muito competente, apesar do momento de crise financeira nacional.

Por que a CBF é tão forte politicamente no Congresso?
Não só no Congresso, como também em todas as demais instituições. Estamos falando da entidade que controla o esporte mais admirado do país, que movimenta nossa economia e que representa o maior produto de exportação do Brasil. Assim, é claro que é uma entidade muito expressiva, protagonista, cujas manifestações são sempre recebidas com o respeito que merecem.

Você se incomoda com o tom pejorativo do termo “bancada da bola”?
Não vejo esse tom pejorativo. O Congresso tem representantes de vários setores e tenho muito orgulho de defender os interesses do futebol.

Como viu o desfecho da CPI do Futebol?
Como todas as Comissões Parlamentares de Inquérito, a CPI foi um espaço de amplo debate e profunda investigação. Muitos foram inquiridos e vários documentos foram requisitados. O relatório final foi propositivo e tenho certeza que a conclusão foi acertada, vez que foi decorrente de longa discussão.

A Federação Mineira tem eleição chegando. Pensa em ser presidente?
Não. A eleição será em junho de 2018 e o atual presidente, Castellar Neto, tem feito uma gestão de referência para o futebol brasileiro. Não à toa foi escolhido para representar a Conmebol na Fifa pelos próximos quatro anos.



MaisRecentes

Jogadores do Palmeiras receberam ‘mala branca’ do Boca Juniors para vencer na Libertadores



Continue Lendo

Câmara de Vereadores do Rio de Janeiro está dividida sobre o Everest



Continue Lendo

Diretoria do Vasco usa embargos na Justiça para que caso “HD do Vasco” não termine logo



Continue Lendo