Coaracy queria que delegação brasileira viajasse sem visto para o Mundial no Cazaquistão



Preso na operação “Águas Claras” da Polícia Federal por causa de fraudes na Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos (CBDA), o ex-presidente da entidade Coaracy Nunes queria que os 16 atletas da Seleção júnior de polo aquático viajassem sem visto para o Cazaquistão para disputar o Mundial da modalidade, em 2015. Segundo o dirigente, no país da Ásia um representante estaria esperando no aeroporto local para receber a delegação brasileira para cuidar dos trâmites para a imigração dos atletas.

A barbaridade foi a gota d’água para a denúncia ao Ministério Público Federal (MPF) feita pelo atleta Wilson Mendes Caldeira, a quem Nunes pediu para chefiar a equipe na viagem que acabou não ocorrendo e frustrando o sonho dos jovens atletas que tinham entre 16 e 18 anos de participarem da competição.

Para a participação da equipe para o Mundial no Cazaquistão, a CBDA havia orçado os custos da viagem em R$ 300 mil. Ao saber que a entidade teria desistido da competição, alegando alta no dólar, um grupo de empresários se reuniu para tentar bancar a viagem da delegação brasileira.

Ao levantar os gastos de passagens e hospedagem no mesmo hotel indicado pela organização da competição, chegaram a um valor de pelo menos 30% menor que o da CBDA e às vésperas do Mundial. Entretanto, a delegação precisava do aval da entidade brasileira para competir, o que não ocorreu.

– O grupo de empresários bancaria a viagem mas nas conversas a CBDA negou. Para mim foi a gota d’água – afirmou Caldeira, autor da denúncia das irregularidades na CBDA ao MPF que culminou na operação deflagrada pela Polícia Federal na manhã da última quinta-feira.



MaisRecentes

‘Rainbow Six Pro League’, no Rio de Janeiro, neste fim de semana, terá premiação milionária



Continue Lendo

Superintendente garante que não há obstáculos para construir no campo do Everest



Continue Lendo

Detalhe técnico pode impossibilitar obra no campo do clube Everest



Continue Lendo