Presidente da FPF diz ser contra ‘futebol elitista’ para defender maior poder das federações na CBF



O presidente da Federação Paulista de Futebol (FPF), Reinaldo Carneiro Bastos, comentou nesta quinta-feira a polêmica mudança no estatuto da CBF que passou a incluir os 20 clubes da Série B do Brasileiro em seu colégio eleitoral mas aumento, ao mesmo tempo, o peso do voto das federações.

Anteriormente, as 27 entidades estaduais e os 20 clubes da Série A tinham o mesmo peso de voto. Com a inclusão dos clubes da Segunda Divisão, o que daria maioria aos clubes, o voto das 27 federações passou a ter peso 3 (total de 81) contra peso 2 dos clubes da Série A (40 no total) e peso 1 para os da Série B (somando 20), equação que manteve o poder das entidades estaduais.

– É o mesmo poder, continua sendo os mesmos 57,5% para as federações como antes, não houve nem mais, nem menos. E as federações representam um número muito maior de clubes e não pode mais fazer um futebol elitista – afirmou Bastos, após a reunião do Conselho Técnico das finais do Paulistão.

Ao argumentar o maior peso para as federações, o presidente da FPF citou o grande número de times de futebol que há em todo o país e que são as entidades estaduais que defendem a maioria dos clubes e não apenas os que jogam as principais divisões do Campeonato Brasileiro.

– Nós temos 1.116 clubes no Brasil e precisamos entender que a maioria dos craques não nascem nos clubes onde eles se tornam famosos – afirmou Bastos, completando que quem fomenta o futebol brasileiro “são os outros mil e poucos clubes que não podem morrer”.



MaisRecentes

‘Rainbow Six Pro League’, no Rio de Janeiro, neste fim de semana, terá premiação milionária



Continue Lendo

Superintendente garante que não há obstáculos para construir no campo do Everest



Continue Lendo

Detalhe técnico pode impossibilitar obra no campo do clube Everest



Continue Lendo