Novo Bom Senso? Grupo de atletas é formado para representar a categoria



Mais de 60 jogadores de clubes das Séries A, B, C e D do Campeonato Brasileiro farão parte do Clube de Capitães, grupo formado para representar a categoria e brigar por melhorias no futebol brasileiro, principalmente em relação ao calendário do futebol brasileiro. A iniciativa é da Federação Nacional dos Atletas Profissionais de Futebol (Fenapaf), que em carta divulgada nesta quarta-feira pede um encontro com a CBF para tratar, principalmente, sobre o conflito de jogos entre competições no ano.

O texto aponta que “Estaduais e Primeira Liga não devem patrocinar jogos da forma ora estabelecida, em que clubes e a maioria dos mesmos atletas atuam mais de uma vez sem o devido período de descanso conveniente à categoria”.

Entre os atletas que fazem parte do Clube de Capitães estão Fernando Prass (Palmeiras), Paulo André (Atlético-PR), Gum (Fluminense), Lugano (São Paulo), Camilo (Botafogo), Réver (Flamengo) e Victor (Atlético-MG). Questionado se a criação do grupo é uma forma para ocupar o lugar deixado pelo Bom Senso FC, o presidente da Fenapaf, Felipe Augusto Leite, negou tal intenção.

– É uma forma de aproximar os atletas das ações da entidade. Estou abrindo a Fenapaf à eles pois isso não existia anteriormente, daí criava-se um muro entre a entidade e os atletas – comentou Leite.

Veja abaixo o conteúdo da carta.

Carta Aberta ao Futebol Brasileiro

A Fenapaf vem por meio desta oficializar o seu Clube de Capitães, composto por mais de 60 atletas espalhados pelos clubes das Séries A, B, C e D do Campeonato Brasileiro. Esta iniciativa, oriunda da renovada relação dos atletas após a posse da nova diretoria da entidade, tem por objetivo dar unidade e maior relevância às demandas dos atletas do futebol brasileiro diante de todas as discussões que envolvem o nosso esporte.

Neste foco, cuidamos de nos colocar à disposição de todos os agentes envolvidos: CBF, Clubes, Federações, Ligas, imprensa, sociedade, a fim de que a melhoria do futebol brasileiro seja uma realidade iminente e que passe pela proteção ao exercício sadio da profissão do atleta, mas também em respeito aos torcedores, patrocinadores, à ética e ao aprimoramento dos espetáculos de resultados sob qualquer suspeita.

Certos disto, trazemos ao debate a necessidade urgente de que se evite a realização de jogos na forma conflitante em que se observa neste início de temporada. Estaduais e Primeira Liga não devem patrocinar jogos da forma ora estabelecida, em que clubes e a maioria dos mesmos atletas atuam mais de uma vez sem o devido período de descanso conveniente à categoria.

Estamos certos de que as instituições devem propor a adequação dos respectivos calendários sem que oprimam o trabalhador, sem que se apequenem as competições e o interesse do público e dos patrocinadores, principais interessados e responsáveis pelos enormes valores obtidos com a venda dos direitos de transmissão dessas competições.

É em defesa aos atletas e aos interesses do futebol brasileiro que nos colocamos abertos ao diálogo. Para tanto, solicitamos ser recebidos pela Confederação Brasileira de Futebol a fim de discutir tão relevante tema, inclusive com as ligas, clubes e federações.

Afinal de contas, os protagonistas têm que assumir o seu papel no enredo futebol e nossa contribuição é, antes de tudo, um compromisso patriótico ao incentivar a educação e o desporto nacional. Compartilhar ideias, buscar soluções institucionais e do bem comum certamente contribuirão ainda mais para resgatarmos ao nosso País, a hegemonia do futebol mundial.

Federação Nacional dos Atletas Profissionais de Futebol (FENAPAF)

Clube de Capitães



MaisRecentes

Gestão de associação coloca clubes de Santa Catarina na vanguarda do futebol



Continue Lendo

Internet e canais de filmes podem transmitir jogos do Brasileirão a partir de 2019



Continue Lendo

Zagueiro Igor Rabello pode deixar o Botafogo e se transferir para a Itália



Continue Lendo