‘Primeira Liga reflete as dificuldades que os clubes brasileiros têm para se organizar’, diz presidente do Grêmio



Reeleito com aprovação de mais de 80% dos votos para mais três anos de gestão, o presidente do Grêmio, Romildo Bolzan Júnior, fala à De Prima sobre os planos para o novo mandato, o novo calendário do futebol brasileiro e a falta de união entre os clubes do país.

O resultado no primeiro jogo da final da Copa do Brasil te surpreendeu?
Nós sabíamos que seria um jogo muito difícil e equilibrado, como realmente foi. Mas o Grêmio conseguiu aproveitar as oportunidades que surgiram para obter esse resultado. Mas acima como o Atlético-MG teve esse revés em seu estádio, nós também podemos ter em nossa arena. A Copa do Brasil continua indefinida e o Grêmio entrará com espírito que entrou no primeiro jogo.
Como estão as conversas para renovar com o Renato Gaúcho?
Existe a manifestação de ambas as partes para a renovação do contrato. Mas isso só será conversado após o fim dos campeonatos.

Você foi reeleito para mais três anos de gestão O que esperar do novo mandato?
Fomos eleito com 85,3% dos votos. Isso ratifica que os ajustes financeiros que fizemos no clube nesses primeiros anos foram assimilados pelos sócios e torcedores e isso vai continuar. Agora temos que investir mais no futebol mantendo a política de aumentar as receitas e diminuir as despesas.

Se arrepende de alguma iniciativa que pretende mudar nesse novo mandato?
Não me arrependo de nada e não tenho nada do que arrepender do fiz nos últimos anos. Optamos por um caminho de gestão que melhorou a estrutura do clube e manteve o futebol competitivo. A única coisa que quero fazer agora é melhorar a base, dar uma melhor estrutura para a base do clube, e espero fazer isso nos próximos anos.

Até o 3 semestre o Grêmio atingiu R$ 270 milhões em receitas mas cerca 70% dela em de contratos de TV. Como mudar isso?
É verdade que teve essa grande participação mas isso já começou a mudar. A partir de 2019, com os acordos assinados este ano, o conceito será outro. Não haverá mais as grandes diferenças de cotas entre os clubes e isso melhorará muito o equilíbrio técnico entre os clubes e das competições. A receita também passa pelos recursos do estádio, ampliação do quadro social e potencialização dos serviços que hoje estão subestimados no clube. Então, dá para melhorar essa receita.

Alguma outra meta para o mandato?
Um objetivo é consolidar nosso quadro de sócios para que ele fortaleça o futebol. Atraímos 14 mil novos associados nos últimos meses e essa fidelização é o que precisamos para bancar os gastos com o futebol, isso é o mais importante.

Qual a expectativa de receita para 2016?
Devemos fechar entre R$ 300 e R$ 320 milhões. Foi um ano com situação excepcional por conta das luvas do contrato com a Globo (o clube recebeu R$ 100 milhões pelo acordo de TV a partir de 2019) mas nos próximos anos podemos ter outras situações como a venda de jogadores. Temos que absorver os fatores econômicos para poder melhorar. Esse é o desafio.

Como avalia o calendário de 2017 divulgado pela CBF?
A única queixa que tenho sãos os Estaduais que ficaram muito amplos. Estão diminuindo o número de clubes mas mantendo as competições extensas. Se tem menos clubes participando teria que reduzir também o número de datas. Nesse caso, quanto mais jogos pior.

A Primeira Liga definiu o novo formato com 15 clubes divididos em três grupos e a fase final disputada no 2 semestre de 2017. Esse modelo te agradou?
Independente do formato, a Primeira Liga é um campeonato que reflete as dificuldades que os clubes brasileiros têm para se organizar. A Primeira Liga é um grande projeto, com um potencial enorme para avançar, mas infelizmente isso está cada vez mais complicado de ocorrer.

E a Liga Sul-Americana de Clubes da qual você é vice-presidente, qual a situação?
A Liga Sul-Americana está muito esvaziada, muito por conta do calendário da Conmebol pois não existe uma interlocução. Isso gera muita desconfiança e dificuldade. Esse tipo de iniciativa é um processo mas ele perdeu muita força a partir do momento que os clubes brasileiros não se uniram para legitimar a Liga. Há a intenção de fazer intercâmbios com as ligas europeias mas não há nada definido. No próximo dia 6 há uma nova reunião e vamos ver como estão as coisas.



MaisRecentes

Conselheiros do Palmeiras cobram diretor de futebol Alexandre Mattos



Continue Lendo

No Dia do Professor, COB abre inscrições para curso de iniciação esportiva



Continue Lendo

Mau desempenho do time afeta Maurício Galiotte no comando do Palmeiras



Continue Lendo