‘Não é por valores, mas é por princípios’, diz dirigente sobre ‘racha’ por divisão de cotas na Primeira Liga



– Não é intransigência, não é por valores, mas é por princípios.

Foi assim que o presidente do Atlético-PR, Luiz Sallim Emed, justificou a posição do clube em discordar da divisão das cotas televisivas que vigora na Primeira Liga até o momento.

Nesta terça-feira, os clubes vão debater em Belo Horizonte sobre o tema e também a respeito do calendário de 2017. Há risco de que a competição não aconteça no ano que vem. Para isso, tanto Atlético-PR quanto Coritiba vão precisar acalmar os ânimos.

No modelo de divisão votado em encontro anterior, o Flamengo ficou no topo, seguido por um grupo formado por Fluminense, Grêmio, Internacional, Atlético-MG e Cruzeiro. A dupla Atletiba ficou no terceiro escalão na divisão de cotas, só superando aos outros “pequenos” que são membros da Liga.

– O que nós pedimos é que fosse feita uma nova assembleia para discutir novamente. Desde o princípio, me lembro perfeitamente, era para ter consenso entre todos os clubes, tentar fazer de forma diferente do que vinha acontecendo (no Brasileirão). Isso ficou como princípio. Mas o Atlético entendeu que isso não foi seguido – completou o presidente do Furacão à De Prima, sem sacramentar se a reunião será mesmo definitiva para a permanência do clube no bloco:

– Vamos ver como vai caminhar a reunião. É difícil falar como hipótese.

Além da questão financeira, a Primeira Liga tem o desafio de se encaixar no calendário de 2017 não sendo considerada algo oficial por parte da CBF. A ampliação da Libertadores e a Flórida Cup dificultaram ainda mais o processo.

– Não mexeram nos Estaduais. A Primeira Liga não faz parte do calendário. É o que queremos saber, discutir. Manter o mesmo número de datas para o Estadual sem incluir a Primeira Liga? não tínhamos essa expectativa – emendou Luiz Sallim Emed.



  • J.H

    Ainda mais agora que dois patrocinadores retiraram 556 milhões para as transmissões do futebol para 2017. Preocupante. Será que se a Globo não conseguir repor esses anunciantes, haverá problemas para remunerar os clubes?

  • Charles Ubiratan

    A verdade é que querem empurrar esse torneio Guela abaixo.
    Tentando passar por cima das leis, contratos, e de tudo que já tem assinado.
    Que costume de merda isso aqui no Brasil!

MaisRecentes

Grupo francês promete investir R$ 9 milhões na cobertura do Maracanã



Continue Lendo

Ação contra Profut no STF terá relatoria de Alexandre de Moraes



Continue Lendo

CBF aprova novo estatuto, que aumenta poder de voto das federações



Continue Lendo