‘Não é por valores, mas é por princípios’, diz dirigente sobre ‘racha’ por divisão de cotas na Primeira Liga



– Não é intransigência, não é por valores, mas é por princípios.

Foi assim que o presidente do Atlético-PR, Luiz Sallim Emed, justificou a posição do clube em discordar da divisão das cotas televisivas que vigora na Primeira Liga até o momento.

Nesta terça-feira, os clubes vão debater em Belo Horizonte sobre o tema e também a respeito do calendário de 2017. Há risco de que a competição não aconteça no ano que vem. Para isso, tanto Atlético-PR quanto Coritiba vão precisar acalmar os ânimos.

No modelo de divisão votado em encontro anterior, o Flamengo ficou no topo, seguido por um grupo formado por Fluminense, Grêmio, Internacional, Atlético-MG e Cruzeiro. A dupla Atletiba ficou no terceiro escalão na divisão de cotas, só superando aos outros “pequenos” que são membros da Liga.

– O que nós pedimos é que fosse feita uma nova assembleia para discutir novamente. Desde o princípio, me lembro perfeitamente, era para ter consenso entre todos os clubes, tentar fazer de forma diferente do que vinha acontecendo (no Brasileirão). Isso ficou como princípio. Mas o Atlético entendeu que isso não foi seguido – completou o presidente do Furacão à De Prima, sem sacramentar se a reunião será mesmo definitiva para a permanência do clube no bloco:

– Vamos ver como vai caminhar a reunião. É difícil falar como hipótese.

Além da questão financeira, a Primeira Liga tem o desafio de se encaixar no calendário de 2017 não sendo considerada algo oficial por parte da CBF. A ampliação da Libertadores e a Flórida Cup dificultaram ainda mais o processo.

– Não mexeram nos Estaduais. A Primeira Liga não faz parte do calendário. É o que queremos saber, discutir. Manter o mesmo número de datas para o Estadual sem incluir a Primeira Liga? não tínhamos essa expectativa – emendou Luiz Sallim Emed.



  • J.H

    Ainda mais agora que dois patrocinadores retiraram 556 milhões para as transmissões do futebol para 2017. Preocupante. Será que se a Globo não conseguir repor esses anunciantes, haverá problemas para remunerar os clubes?

  • Charles Ubiratan

    A verdade é que querem empurrar esse torneio Guela abaixo.
    Tentando passar por cima das leis, contratos, e de tudo que já tem assinado.
    Que costume de merda isso aqui no Brasil!

MaisRecentes

Órgão antidoping faz testes surpresa no Flamengo, Fluminense, Santos e São Paulo



Continue Lendo

Associação de árbitros diz que Felipe Melo é ‘péssimo exemplo para o futebol’



Continue Lendo

Número de empresas na Lei de Incentivo ao Esporte cai pela metade



Continue Lendo