Mandado de segurança tenta suspender leilão do Canindé



O advogado Maurício de Figueiredo Corrêa da Veiga, que atua para a Portuguesa de Desportos, entrou com um mandado de segurança no Tribunal Regional do Trabalho (TRT), nesta quinta-feira, para tentar suspender o leilão do estádio do Canindé, em São Paulo. O leilão está marcado para ocorrer nesta sexta-feira. O argumento do advogado é que há incertezas em relação ao real valor do espaço que será leiloado.

– Antes do leilão é preciso ter certeza do valor de avaliação do imóvel. Há muita especulação imobiliária em torno deste terreno. O valor que vem sendo divulgado não condiz com o valor de mercado – comentou Corrêa da Veiga.

O leilão do Canindé foi determinado em ação trabalhista movida pelo ex-jogador Tiago de Moraes Barcellos e a oferta mínima é de R$ 74 milhões, o que corresponde a 60% do valor de mercado do terreno, avaliado em R$ 123,5 milhões. O terreno que pode ser leiloado mede cerca de 42 mil metros quadrados.

Caso o terreno seja vendido, R$ 47 milhões do valor arrecadado será para quitar dívidas da Portuguesa, grande parte em favor do ex-jogador Tiago de Moraes Barcellos mas também envolve outros seis credores trabalhistas. Outras ações também estão em fase de execução e podem entrar no valor da venda do estádio.



MaisRecentes

‘Com a crise, temos que fazer mais com menos’, diz executivo de marketing do COB



Continue Lendo

Romário quer que presidente de órgão do legado olímpico passe por sabatina no Senado



Continue Lendo

COB mantém uniformes da Nike mesmo sem contrato



Continue Lendo