Projeto que estabelece a Seleção Brasileira como patrimônio cultural volta à pauta em Brasília



A proposta que estabelece a Seleção Brasileira como um patrimônio cultural do Brasil volta a ser debatida nesta semana na Câmara dos Deputados. De autoria do deputado Silvio Torres (PSDB-SP), o projeto foi apresentado em 2007 mas seu trâmite ganhou força no ano passado com o escândalo de corrupção no futebol. Caso a Seleção se torne patrimônio cultural, o Ministério Público se torna apto a interferir na gestão e transparência da equipe nacional podendo, por exemplo, analisar contratos realizados pela CBF.

Desde o ano passado, o projeto sobre a Seleção como patrimônio cultural já foi aprovado pelas comissões de Cultura e Esporte, na Câmara, e precisa passar apenas pela Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) para ir para o Senado.

Relator do texto na Comissão do Esporte, o deputado João Derley (Rede-RS) deu parecer favorável à aprovação do projeto por “contribuir para um maior controle e transparência da gestão de nosso maior símbolo de representatividade no exterior”.

No mesmo projeto de lei, uma das emendas apresentadas estabelecia que a Seleção Brasileira de futebol deveria ser composta por, no mínimo, 50% de jogadores que atuam em clubes do país. Em seu parecer, Derly desaprova a proposta citando que a iniciativa “tenderia a enfraquecer o desempenho do selecionado nacional” já que vários atletas brasileiros atuam no exterior.



MaisRecentes

Liga vê Copa do Nordeste com potencial para crescer e pagar mais aos clubes



Continue Lendo

Crise política breca MP que isenta atletas de cobrança previdenciária



Continue Lendo

Romário enviará relatório da CPI do Futebol ao Ministério Público da Espanha



Continue Lendo