Kleber Leite faz diagnóstico do mercado do futebol: ‘Não está fácil trabalhar’



Kleber Leite fala sobre momento do mercado do futebol brasileiro e comenta desafios no período pós-escândalo de corrupção no futebol sul-americano, que levou cartolas do continente à prisão e minou contratos. Ele elogia regionais

Como tem sido a atuação da Klefer hoje, sobretudo levando em conta os problemas que a empresa acabou enfrentando após o escândalo de propina envolvendo Traffic, CBF e os dirigentes do continente?
A Klefer não é citada em nada, não tem nada, a vida segue normal. O pessoal está trabalhando muito. Foi uma página muito ruim para a gente. O injusto é ruim. Durante algum tempo, causou um enorme desconforto. Houve um bloqueio momentâneo (de verba), em função do estardalhaço. Mas, por questão de justiça, segue absolutamente normal.

A empresa ganhou mais contratos ou perdeu desde então?
Não houve nenhum tipo de modificação contundente. O que houve é um mercado recessivo, como todos estão enfrentando.

Que tipo de desafio vocês estão encontrando para negociar as competições?
A partir do momento em que a Globo encontra dificuldades, qualquer um pode encontrar. É um momento em que todos estão procurando se adaptar, procurando alternativas, renegociando. Ou seja, pouco inteligente é que não procura medidas alternativas. É do país, de um modo geral. Nos compete ter o mínimo de imaginação, transpiração. Não está fácil trabalhar nada. Não é algo localizado. No Estadual temos uma parceria com a Sportplus. Estamos criando um projeto alternativo que venha sensibilizar os clientes. Não é um problema de uma competição, pelo fato de ser um Estadual.

Trabalhar com a Copa do Nordeste é mais fácil do que com Estaduais?
Acho que a Copa do Nordeste vai alavancar a profunda modificação na estrutura do futebol brasileiro, ela mostrou que é possível se montar um esquema regional. Amaria que retornasse o Rio-São Paulo, que é uma coisa consagrada. Como é que isso não voltou? Juntar os dois maiores centros econômicos é muito mais que o filé mignon.

Vocês trabalham com a Copa do Brasil. O que acha desse ajuste no calendário que precisou ser feito por causa das mudanças na Libertadores? Serão menos datas, mas com o mesmo número de fases.
Com toda sinceridade, não mudou muito, na medida que tudo está diretamente ligado à quantidade de jogos que você tenha em exposição. Seria injusto se chorasse mágoa. O que se poderia oferecer ao mercado, (comparando) como é este ano e como será o ano que vem, a diferença é nenhuma. Apenas uma formatação diferente, uma concentração maior de jogos. Em vez de terminar em novembro, terminaria em setembro, outubro.

Na posição de quem depende da exposição para vender, como vê a entrada do Esporte Interativo no mercado para passar parte da Série A na TV fechada?
São nossos parceiros na Copa do Nordeste, como a Globo é também. Não vejo nenhum tipo de problema em relação a isso. Foi um espaço que eles ocuparam por competência. Acho que isso é bom, no todo. Para o consumidor é espetacular. De cadeira, convivemos com os dois parceiros.

Como está Marco Polo Del Nero?
Eu o vejo extremamente motivado. E fico muito bem impressionado com o poder que ele tem em delegar. Vejo caras novas na CBF extremamente competentes e dispostas a evoluir a coisa, a caminhar legal, estar em sintonia com o mundo novo. Ele delega bem.

Ele delega para que outros sejam escudo?
Não diria isso. É demonstração de inteligência. Ninguém sabe tudo. Ele tem no financeiro uma pessoa, tem no marketing outra, Feldman faz a sintonia, o corpo a corpo. Tem um time muito legal. Quem não gosta dele esculhamba por qualquer motivo.

Sentiu uma diferença de valorização da Seleção depois da Copa?
Imediatamente após o 7 a 1, senti diferença. Não é uma coisa que acontece todo dia. Mas a Seleção é tão forte, tão poderosa, que tem um poder de dar a volta por cima. O momento da Seleção requer o Tite, que é um profissional com astral ótimo, passa sinceridade, tem uma sinergia popular espetacular.

Teve alguma novidade em relação ao processo na Justiça dos EUA?
Não teve nem vai ter. O que tinha que acontecer, já aconteceu. A Klefer e eu não fomos indiciados.



  • Bruno Mattos

    Amigos e irmãos rubros negros venho por meio desse comunicado convidar vcs a fazer em parte de nossa família flazapp

    21 96477-1696
    21 97462-1663
    27 99977-6626
    33 8895-2122
    64 999417382
    85 8868-5272

    E participar de nossas enquetes…
    Essa a do dia…

    A) Vitinho – Internacional – CSKA
    B) Bernad – Shakthar
    C) Paulinho – Voltando do Santos
    D) Everton – Atual titular
    E) Cafu – Voltando Mumbai
    F) Paquetá – jogador da base
    G) Marcelo Cirino kkkkkk

    • Lindolfo Pixain

      VTNC o desocupado. Vai pra escola o seu analfabeto funcional e para de posta merdah sobre esse timinho falido

  • Josivaldo Pereira

    Esse bandido era pra ta preso.

MaisRecentes

STJD nega pedido do Vasco de efeito suspensivo em perdas de mando



Continue Lendo

Técnicos articulam pela redução de demissões no Brasil. Alguns cogitam até ‘boicote’



Continue Lendo

Dirigente do Flu reconhece excesso de jovens no elenco: ‘Ideal é ter mescla’



Continue Lendo