Casos de racismo quase dobram em um ano no futebol brasileiro



O futebol brasileiro teve 37 casos de racismo em 2015, um aumento de 85% em relação aos 20 incidentes registrados no ano anterior. Os dados estão na 2ª edição do relatório da ONG “Observatório da Discriminação Racial no Futebol” que será apresentado na próxima segunda-feira na sede do Vasco, em São Januário. Do total, 35 foram por discriminação racial e os outros dois por homofobia e xenofobia. O Rio Grande do Sul é o estado com mais casos registrados, 9 no total – foram cinco em 2014.

Nesta edição, a ONG também levantou casos em outras modalidades. Além do futebol, também foram registrados dois incidentes no vôlei, um no basquete e outro na ginástica, totalizando 41 casos no esporte brasileiro.

– É um aumento considerável e pode ser explicado pelas pessoas que se encorajam em fazer as denúncias após a divulgação dos fatos. Mas em pleno século 21 não deveríamos estar discutindo isso – comentou o advogado Maurício Correa da Veiga, secretário da comissão de direito esportivo da OAB e que esteve envolvido nos trabalhos do relatório.

Segundo Veiga, o material deve ser entregue à CBF, federações e entidades esportivas para que seja feita uma cartilha sobre racismo no esporte e distribuída aos torcedores.

Já a escolha da sede do Vasco para a apresentação do relatório deve-se ao histórico do clube de São Januário, que foi o primeiro time brasileiro a incluir negros e mulatos na equipe, na década de 20.



MaisRecentes

Detalhe técnico pode impossibilitar obra no campo do clube Everest



Continue Lendo

Mesmo debilitado, Eurico Miranda mostra sua força na política do Vasco



Continue Lendo

Apesar de decisão da Justiça, clubes apoiam Caboclo na CBF



Continue Lendo