Profut pode ter nova regulamentação após polêmica entre clubes e CBF



A polêmica sobre a presença dos clubes das Séries A e B nas assembleias administrativas da CBF pode gerar uma nova regulamentação à Lei do Profut. O objetivo é acabar com as dúvidas sobre o artigo que dá direito aos clubes estarem nas reuniões da entidade. A ideia foi comentada, na última terça, antes da audiência pública sobre o primeiro ano do Profut em conversa entre o presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello, o deputado e dirigente Andrés Sanchez, e o advogado Luiz Felipe Santoro, que representou a CBF no encontro.

Desde que o Profut entrou em vigor, a CBF já realizou duas assembleias administrativas sem a participação dos clubes, que até enviaram uma carta pedindo para a entidade cumprir a norma. A CBF se defende em relação ao artigo apontando interferência do governo em suas atividades para não respeitar a lei.

No texto da lei está que “nas entidades nacionais de administração do desporto, o colégio eleitoral será integrado, no mínimo, pelos representantes das agremiações participantes da 1 e 2 divisões do campeonato de âmbito nacional” em artigo que altera a Lei Pelé.

A regulamentação pode ser sugerida pelo próprio presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello, que é o representante titular dos clubes na Autoridade Pública de Governança do Futebol (Apfut), órgão ligado ao Ministério do Esporte que foi criado para fiscalizar e debater questões ligadas ao Profut.



MaisRecentes

CBF começa treinar instrutores para curso do árbitro de vídeo



Continue Lendo

Se estrear na próxima rodada, árbitro de vídeo não será para todos os jogos da Série A



Continue Lendo

Licenciamento vira argumento de CBF e clubes para minimizar liminar contra exigência de CND



Continue Lendo