Entidade pode acionar Globo e Esporte Interativo na Justiça por direito de arena a atletas



A Federação Nacional dos Atletas Profissionais de Futebol (Fenapaf) pretende entrar na Justiça contra emissoras caso os jogadores não recebam 5% do valor pago como luvas aos clubes pelos acordos de transmissão na TV fechada entre 2019 e 2024. Globo e Esporte Interativo foram as empresas que fecharam contratos para o período. A entidade entende que a bonificação paga aos clubes de futebol faz parte do contrato de transmissão e tem se reunido com representantes jurídicos para acionar as empresas na Justiça.

O presidente da Fenapaf, Felipe Augusto Leite, chegou a se reunir com representantes do Esporte Interativo para pleitear o percentual sobre as luvas pagas aos clubes mas não houve acordo. Contatado, o canal esportivo preferiu não se pronunciar sobre a intenção da entidade pois não recebeu nenhuma notificação sobre a ação judicial. Já a Globo não retornou o contato da coluna.

O Santos é um dos clubes que fechou contrato com o Esporte Interativo para a transmissão de seus jogos na TV fechada entre 2019 e 2024. Segundo Cristiano Caús, advogado do clube, o valor pago como luva no contrato não entra como direito de arena.

– Há vários argumentos jurídicos que descaracterizam esse pagamento como direito de arena, como ser um valor que corresponde a uma premiação e não ser pago pela transmissão de uma temporada – comentou o advogado do Santos.



MaisRecentes

Presidente da Federação Paulista lamenta calendário apertado em 2018



Continue Lendo

Brasileiro de Aspirantes terá ajuda de custo e passagens bancadas pela CBF



Continue Lendo

Galiotte e Modesto em clima de paz: ‘É um dos mais éticos’, elogia o santista



Continue Lendo