Entidade pode acionar Globo e Esporte Interativo na Justiça por direito de arena a atletas



A Federação Nacional dos Atletas Profissionais de Futebol (Fenapaf) pretende entrar na Justiça contra emissoras caso os jogadores não recebam 5% do valor pago como luvas aos clubes pelos acordos de transmissão na TV fechada entre 2019 e 2024. Globo e Esporte Interativo foram as empresas que fecharam contratos para o período. A entidade entende que a bonificação paga aos clubes de futebol faz parte do contrato de transmissão e tem se reunido com representantes jurídicos para acionar as empresas na Justiça.

O presidente da Fenapaf, Felipe Augusto Leite, chegou a se reunir com representantes do Esporte Interativo para pleitear o percentual sobre as luvas pagas aos clubes mas não houve acordo. Contatado, o canal esportivo preferiu não se pronunciar sobre a intenção da entidade pois não recebeu nenhuma notificação sobre a ação judicial. Já a Globo não retornou o contato da coluna.

O Santos é um dos clubes que fechou contrato com o Esporte Interativo para a transmissão de seus jogos na TV fechada entre 2019 e 2024. Segundo Cristiano Caús, advogado do clube, o valor pago como luva no contrato não entra como direito de arena.

– Há vários argumentos jurídicos que descaracterizam esse pagamento como direito de arena, como ser um valor que corresponde a uma premiação e não ser pago pela transmissão de uma temporada – comentou o advogado do Santos.



MaisRecentes

Com Under Armour, Fluminense tem menos uma dor de cabeça



Continue Lendo

Atlético Paranaense abre escola de futebol na África



Continue Lendo

Finais da Copa do Brasil serão transmitidas nos cinemas



Continue Lendo