Liga Sul-Americana: Presidência será alternada entre Brasil e Argentina, e Uruguai será sede



Doze clubes brasileiros vão a Montevidéu, no Uruguai, no dia 19 de julho, para darem o pontapé inicial na Liga Sul-Americana, que funcionará como uma associação em busca do atendimento às necessidades das equipes, mas reconhecendo a Conmebol como organizadora das competições do continente.

A capital uruguaia será a sede da nova liga, cuja presidência será em mandatos alternados entre brasileiros e argentinos. Quando o Brasil tiver o presidente, obrigatoriamente o diretor financeiro será argentino. E vice-versa. A expectativa é que na reunião em Montevidéu haja alguma definição sobre data da eleição.

Na assembleia-geral da liga, os votos serão unitários, cada clube terá direito a um e peso igual. Mas será criado um comitê diretivo, que discutirá, por exemplo, direitos televisivos e comerciais, com um representante de cada país, e nele haverá voto qualitativo. Brasil e Argentina, cujos times têm mais representatividade, terão peso 3 nos votos. Os uruguaios terão peso 2 e os outros países ficam com um.

O planejamento é que o presidente indique também um secretário-geral, que será remunerado e irá atuar como uma espécie de CEO. A liga sul-americana pegou inspiração na Associação de Clubes Europeus (ECA, sigla em inglês).

Os clubes brasileiros são Flamengo, Fluminense, Botafogo, Vasco, Palmeiras, Corinthians, Santos, São Paulo, Grêmio, Internacional, Cruzeiro e Atlético-MG.



MaisRecentes

Romário quer que presidente de órgão do legado olímpico passe por sabatina no Senado



Continue Lendo

COB mantém uniformes da Nike mesmo sem contrato



Continue Lendo

Clubes citam preocupação com uso de vídeo sem testes na Libertadores



Continue Lendo