Diretor da Minas Arena cita ‘ignorância em termos contábeis’ para rebater acusação de fraudes na gestão do Mineirão



Diretor-comercial da Minas Arena, consórcio que administra o Mineirão, Samuel Lloyd diz estar tranquilo em relação às suspeitas de fraudes citadas pelo deputado estadual Iran Barbosa (PMDB-MG) em representação criminal ao Ministério Público de MG.

Além das auditorias feitas por duas multinacionais (Ernst & Young e PricewaterhouseCoopers), ele cita entre os argumentos a impossibilidade de haver fraudes no repasse ao governo pois a ainda não há margem de lucro na operação do estádio. Além disso, diz que o borderô utilizado para apontar irregularidades na receita dos jogos foi de um jogo atípico, a final da Libertadores entre Atlético-MG e Olímpia, em 2013.

– Ele pegou apenas parte da receita dessa partida. Houve muitos pagamentos parcelados e com cartão que caíram apenas no outro mês – aponta Lloyd.

O executivo da Minas Arena diz ainda que a acusação feita pelo deputado mineiro foi apenas uma forma dele obter visibilidade e que o Ministério Público de Minas Gerais está fazendo apenas a sua obrigação de analisar qualquer denúncia.

– Isso tudo ocorreu por ignorância em analisar termos contábeis e acordos de PPP (Parceria Público-Privada) já que é um contrato longo e de difícil entendimento”, completou o diretor comercial do Mineirão.



MaisRecentes

Del Nero promete solução na segunda-feira para transmissão dos jogos da Seleção



Continue Lendo

Presidente da Ferj tira terceira licença em 2017



Continue Lendo

Vasco convive com atrasos salariais, mas mantém ascensão no Brasileiro



Continue Lendo