Governo sonda jurista para presidir Apfut mas cargo é recusado



O Ministério do Esporte iniciou a substituição dos nomes indicados pelo governo Dilma na Autoridade Pública do Futebol (Apfut), órgão que fiscalizará os clubes nas contrapartidas do Profut. Um dos nomes sondados para presidir o órgão foi do jurista Wladimyr de Moraes Camargos, relator da Comissão especial criada no Senado para discutir mudanças nas leis esportivas.

Ele substituiria o ex-subchefe de assuntos jurídicos da Casa Civil, César Dutra Carrijo, mas recusou o convite pois não pretende assumir um cargo no governo. Segundo o jurista, sua intenção é colaborar voluntariamente com o órgão.

– Estive no governo por cinco anos e não pretendo retornar assumindo um cargo – diz ele.

Além do presidente da Apfut, que recebe R$ 11,2 mil e é o único cargo remunerado no órgão, o governo tem quatro cadeiras para indicar em substituição aos indicados pela equipe de Dilma, sendo dois representantes do Ministério do Esporte, um da Ministério da Fazenda e outro do Ministério do Trabalho e Previdência Social.

Os outros cinco membros indicados pela sociedade civil permanecem na Apfut sem alterações pelo período de mandato, que é de três anos.



MaisRecentes

Conmebol cria aba no site para informações sobre Tribunal Disciplinar



Continue Lendo

Grêmio espera até meados de junho para tomar decisão sobre Arena



Continue Lendo

Barça ignora fase do Real Madrid e supera rival em venda de camisas no Brasil



Continue Lendo