Negociações não avançam e Grêmio não deve comprar arena da OAS



Dada como praticamente certa há poucos dias, a compra da arena pelo Grêmio junto a OAS devem ser encerrada na próxima semana sem as partes chegarem a um acordo. Uma reunião do Conselho Administrativo do Tricolor gaúcho será realizada na próxima semana para colocar um ponto final no assunto e a expectativa é que a gestão do estádio permaneça como está atualmente, com a construtora sendo responsável pela gestão por um período de 20 anos.

Segundo o presidente do Grêmio, Romildo Bolzan Júnior, há pontos nas negociações que estão muito difíceis de serem superadas. Ele confirma que a situação do estádio Olímpico, antiga casa gremista e cujo terreno passaria para a OAS, é um dos empecilhos. Mas nega que o entrave também passe pelos credores da construtora, que está envolvida na operação Lava Jato e que passa atualmente por um processo de recuperação judicial.

– São algumas pendências contratuais que têm inviabilizado o acordo e acho difícil que sejam superadas. Estamos em um momento que não podemos mais prolongar isso e a tendência é que tudo fique como está – comentou o presidente do Grêmio.

Há duas semanas, a OAS divulgou um comunicado em que apontava não haver “qualquer obstáculo para a realização do negócio nos termos aprovados no processo de Recuperação Judicial”, e que aguardava apenas a concordância da diretoria do Grêmio para concretizar a venda da Arena.

Caso o acordo ocorra, o Grêmio pagará cerca de R$ 2 milhões pelos próximos 13 anos. No ano passado, o clube chegou a apontar prejuízo de R$ 20 milhões com seu estádio por não poder explorá-lo comercialmente.



MaisRecentes

Globo vê obstáculos na ‘pressa’ da CBF para implantar árbitro de vídeo



Continue Lendo

Procurador do STJD não vê brecha para futura reclamação por causa do árbitro de vídeo



Continue Lendo

Eurico exalta árbitro de vídeo no Brasileiro: ‘Antes tarde do que nunca’



Continue Lendo