Por taxa, Arena Corinthians não vende ingressos com cartão



Palco da Copa-2014 e da Rio-2016, a Arena Corinthians é o único entre os principais estádios de SP a não vender ingressos com cartão na bilheteria, apenas com dinheiro em espécie. Torcedores desprevenidos têm que a sair da fila para sacar o valor da entrada em caixa eletrônico. O mais próximo fica em um shopping a 1 km de distância. Segundo representantes do clube, a venda não é feita por cartões por causa da taxa que é paga pelo uso do equipamento.

Entre as empresas operadoras do serviço, o valor da mensalidade varia entre R$ 100 e R$ 150, além de taxas de 2% a 5% por venda realizada.

O curioso é que em todos os outros grandes estádios da capital paulista – Allianz Parque, Morumbi e Pacaembu – o torcedor consegue adquirir ingressos diretamente na bilheteria com cartão em transações de débito. No estádio do Palmeiras, por exemplo, o sistema utilizado possibilita até a entrada utilizando o próprio cartão de crédito como ingresso em compras feitas antecipadas feita pela internet.

Colaborou Rodrigo Vessoni



  • Zafa Pimentel

    E?

  • r.vanadia

    Curioso é o reporte não entender de custos, se o Palmeiras prefere pagar a taxa tudo bem. Simples assim, lembro que o ingresso do Palmeira é mais caro! Pense meu caro.

  • JONAS

    Foda-se, quem não quiser ir até o shopping sacar que vá comprar ingresso lá no parque antártica.
    Não tem que pagar um absurdo para as operadoras de cc. Já chega o que as federações roubam das bilheterias.

  • KÐ █ ا █ Д И † ϧ █ ?????

    ESSE LANCE TÁ CADA VEZ PIOR, ESSES PSEUDO-JORNALISTAS DEVERIAM TRABALHAR EM SITES DE FOFOCAS, Ô MATÉRIA INÚTIL.

  • Claudio Nannini

    Só um detalhe tá: isso de passar o cartão na catraca não é exclusividade do Palmeiras, no Morumbi já é assim faz mais de 5 anos.

  • Ricardo Reis

    E ainda assim nossos jogos em TODOS os campeonatos!

  • Jorge Guerreiro

    Seriam 2% a 5% a menos para pagar o estádio. Tá certo, sabendo disso já leve o dinheiro na mão. Em média seriam, uma nota de R$50, uma de R$5 e uma moeda de R$1.

MaisRecentes

‘Serão 6,5 mil testes este ano’, diz presidente da comissão antidoping da CBF



Continue Lendo

Tícket médio dos jogos do Brasileirão-2016 teve queda de 10%, aponta estudo



Continue Lendo

ABCD crê em recredenciamento junto à Wada até abril



Continue Lendo