Grupo de triatletas entrará com ação na Justiça contra o Ironman



Um grupo de 17 triatletas estudam entram com ações na Justiça contra a organização do Ironman Brasil, prova cujo percurso abrange 3,8 km de natação, 180 km de ciclismo e 42,2 km de corrida.No último final de semana, em Florianópolis, eles foram retirados da prova após atingirem o quilômetro 131 do ciclismo além do horário permitido.

Eles alegam, entretanto, que o fato ocorreu por conta da mudança nas regras para essa etapa, que passou a ter largadas em horários diferentes entre elite, mulheres e acima de 60 anos, sem acrescentar a diferença no tempo de corte. A diferença entre a primeira largada e a última foi de 45 minutos.

Os triatletas têm consultado advogados e podem entrar com ações individuais ou em grupo contra a Unlimited Sports, responsável pela prova no país.

– Coloquei isso como um objetivo na minha vida e me preparei por 11 meses. O que eles fizeram foi uma injustiça e um desrespeito com as mulheres e os mais velhos que saíram bem depois do início da prova – afirma Cleide Pinheiro, triatleta amadora que chegou local de corte com apenas um minuto de atraso do horário limite.

Ela avalia ter tido despesas de pelo menos R$ 20 mil para participar da prova somando custos com treinos, estadias em Florianópolis, translado para a capital catarinense e inscrição, cujo valor era de US$ 800 (cerca de R$ 3 mil). Além do ressarcimento das despesas, ela pretende incluir reparos por danos morais na ação.

Segundo a Unlimited Sports, o tempo limite constava no regulamento e foi obedecido por segurança dos competidores já que há a necessidade de fechar rodoviais para a realização da prova. Participaram da etapa cerca de 2 mil competidores.



MaisRecentes

Campanha ajuda Fortaleza a trazer de volta atacante Osvaldo



Continue Lendo

Ferj se surpreende com informalidade da prefeitura do Rio de Janeiro



Continue Lendo

Elenco do Palmeiras pede por Deyverson, Felipão dá chance, mas diretoria quer negociá-lo



Continue Lendo