CPB rebate o governo de SP e tenta reverter gestão do Centro Paralímpico



O Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) negocia com o governo de São Paulo uma revisão do acordo de gestão do Centro de Treinamento Paralímpico Brasileiro, que foi inaugurado ontem, na capital paulista. Segundo a entidade, “o objetivo é que o CPB possa fazer a gestão do CT como havia sido combinado desde as primeiras tratativas antes mesmo do início das obras”.

A posição do Comitê ocorre no mesmo dia que o governo de São Paulo publicou no Diário Oficial o decreto sobre a utilização do centro esportivo, cujo investimento total foi de R$ 305 milhões. No documento, a administração estadual utiliza a expressão “permissão de uso” ao CPB por um período de 12 meses. Após esse prazo, uma nova consulta pública será realizada para firmar uma nova parceria.

Em e-mail divulgado à imprensa na tarde desta terça-feira, o governador Geraldo Alckmin afirmou que “o Comitê Paralímpico Brasileiro vai fazer a manutenção das atividades. Mas, o local também está aberto aos clubes e outras entidades com a mesma finalidade. Ou seja, é para todos que necessitem, pois será um grande centro pra servir o Brasil”.

Veja abaixo a íntegra da posição do Comitê Paralímpico:

“O Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) está em contato com a secretaria de governo do Estado de São Paulo e espera resolver a questão do Centro de Treinamento Paralímpico Brasileiro o mais brevemente possível. O objetivo é que o CPB possa fazer a gestão do CT como havia sido combinado desde as primeiras tratativas, antes mesmo do início das obras”.

Colaborou Rafael Valesi



  • Rodolfo

    Essa família Picciani tem é que ser investigada. No Rio de Janeiro foi criado um cartel, bem a cara do PMDB, por sinal. As obras e as licitações são armadas e entregues a essa corja e esses ladrões.estão enriquecendo cada vez mais com o dinheiro público.

MaisRecentes

‘Serão 6,5 mil testes este ano’, diz presidente da comissão antidoping da CBF



Continue Lendo

Tícket médio dos jogos do Brasileirão-2016 teve queda de 10%, aponta estudo



Continue Lendo

ABCD crê em recredenciamento junto à Wada até abril



Continue Lendo