Coronel Nunes arranca risadas na CBF ao contar que clube indígena queria inscrever pajé como médico



A história foi contada pelo vice-presidente da CBF, Coronel Nunes, durante o primeiro dia do simpósio de médicos realizado na sede da entidade.

-Lá no Pará, temos um clube profissional de futebol, o primeiro registrado na CBF pertencente a uma nação indígena. Os médicos do Pará conhecem bem. O presidente é o cacique Zeca Gavião. Tudo feito dentro da legalidade. Visitei a aldeia no sul do Pará, na Reserva Mãe-Maria, em Bom Jesus do Tocantins, limite do município de Marabá. Fizeram uma festa bonita porque pela primeira vez tinha um clube indígena no futebol brasileiro. O nome é Gavião Kyikatejê Futebol Clube. Mas o que chamou atenção é que o presidente tinha levado um preparador físico, um treinador, para orientar o auxiliar indígena, e um preparador de goleiros. Só que, na obrigatoriedade de ter um médico, o Zeca Gavião chega para mim na Federação e diz: “Presidente, não conseguimos médico. Posso inscrever o nosso curador, o pajé, como médico?”. Trouxe o caso para o Pagura (presidente da Comissão Nacional de Médicos da CBF) e que respondeu: “Só se tiver CRM, pô”.

Coronel Nunes deu uma gargalhada após contar o fato e o auditório o acompanhou nas risadas.

Nunes não parou por aí.

– Eu falei que iria trazer pro encontro de médicos e chegar aqui para mostrar como ele faz o tratamento das lesões. “Pagura, você vai ser o cobaia, ele vai te dar uma defumada com charuto indígena”. Mas teve contratempo e não deu para trazer – emendou o vice-presidente da CBF.



  • Markson Sena

    Um monte de imbecis que não sabe respeitar a cultura alheia… Mostra o quão pequena é a mentalidade desse povo da CBF.

  • loco felizmente

    uai se esse cara pode ser o presidente da CBF por que o curandeiro não pode ser o médico do time indígena ? garanto que o índio é muito mais digno do cargo no time do que esse pilantra na CBF

MaisRecentes

Após desistir do Maracanã, parceira do Flamengo irá atuar no Allianz Parque



Continue Lendo

‘Serão 6,5 mil testes este ano’, diz presidente da comissão antidoping da CBF



Continue Lendo

Tícket médio dos jogos do Brasileirão-2016 teve queda de 10%, aponta estudo



Continue Lendo