CBF deve realizar testes de doping no país após três anos



A CBF deve voltar a realizar exames antidoping no país depois de três anos enviando os materiais colhidos para análise no exterior. A expectativa é que a entidade volte a utilizar o Laboratório Brasileiro de Controle de Dopagem (LBCD), no Rio, no Brasileirão deste ano.

Nos contratos com os laboratórios de Los Angeles (EUA), Bogotá (Colômbia) e Lausanne (Suíça), onde a CBF realiza os testes desde 2013 e cujos acordos são renovados anualmente, a entidade retirou a palavra “exclusividade” para este ano justamente para abrir a possibilidade de fazer as análises no Brasil.

Para tratar da volta dos testes antidoping do futebol ao país, está prevista para a próxima semana uma reunião, no Rio, entre o presidente da Comissão Nacional de Médicos de Futebol (CNMF) da CBF, Jorge Pagura, e o secretário nacional da Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem (ABCD), Marco Aurelio Klein.

Além de acertos em relação à logística e condições para os testes serem feitos no laboratório brasileiro, também está na pauta a abrangência dos exames para outras modalidades, como o futebol de areia e o futsal.

Além do contrato mantido com os laboratórios do exterior, outro empecilho apontado pela própria CBF para manter os testes fora do país é a diferença de preço.

– Aqui são usados reagentes e equipamentos importados que encarecem as análises mas podemos chegar a um valor que fique bom para todos – diz Fernando Solera, chefe da Comissão de Controle de Dopagem da CBF, citando uma diferença entre R$ 200 e R$ 300 por exame entre o país e o exterior.

Segundo a entidade, foram realizados cerca de 4,8 mil testes antidoping no futebol brasileiro no ano passado.



MaisRecentes

Ação contra Profut no STF terá relatoria de Alexandre de Moraes



Continue Lendo

CBF aprova novo estatuto, que aumenta poder de voto das federações



Continue Lendo

CBF vai ampliar colégio eleitoral e número de vices



Continue Lendo