Troca no Ministério do Esporte: ‘House of Cards no Brasil é seriado infantil’



Parece até roteiro de ficção, digno do Netflix, mas a dança das cadeiras no Ministério do Esporte é a mais cristalina das realidades políticas brasileira.

O PRB tinha brigado com o governo. O ministro George Hilton, então, pulou fora do barco, arrumou um bote chamado PROS para se manter a salvo até a Rio-2016. O que ele não contava é que o PRB voltasse às boas com o governo, derrubando o bote e ministro junto, recuperando para si o comando da pasta.

Cena de seriado importante dos EUA.

Um interlocutor do blog em Brasília fez o diagnóstico: “House of Cards no Brasil é seriado infantil”.

De fato, a política aqui não é para crianças. Coisas que até Frank Underwood duvidaria.

George Hilton deixa de fazer parte do elenco principal às vésperas do “season finale” que é a Rio-2016. Volta para o Congresso como deputado federal desprestigiado e sem colete salva-vidas.

ATUALIZAÇÃO:

O PRB emitiu uma nota oficial na manhã desta quarta-feira negando que tenha se reaproximado do governo e reafirmando a posição independente. A legenda reforça que “os três secretários indicados pelo partido – Marcos Jorge, Rogerio Hamam e Carlos Geraldo – já colocaram os respectivos cargos à disposição. Eles permanecem nos cargos aguardando a indicação dos substitutos para que o trabalho não seja prejudicado”. 



MaisRecentes

Clube da China deve fazer proposta ao Palmeiras para contratar Deyverson



Continue Lendo

Bittencourt é o primeiro presidente do Fluminense a apresentar dirigentes da base em Xerém



Continue Lendo

Pela primeira vez, desde que assumiu a CBF, Rogério Caboclo participará de um programa ao vivo



Continue Lendo