Divisão de vagas da Série D é técnica e não política, segundo dirigente da CBF



A distribuição das novas oito vagas que surgiram para a Série D gerou interrogação porque a lista de corte não beneficiou Santa Catarina, do desafeto da cúpula da CBF Delfim Peixoto, e contemplou o Pará, do Coronel Nunes. Mas a explicação que vem de dentro da entidade é técnica.

Segundo um dirigente que participou do processo, em relação à distribuição no topo, que não contemplou os catarinenses, o entendimento é que as federações de São Paulo, Rio e Minas estão bem acima das outras e não poderiam ter a mesma quantidade que as subsequentes.

Em relação ao restante, o entendimento na CBF é que não seria justo se Paraná, Santa Catarina, Goiás e Bahia, por exemplo, passassem a ter três se eles não estão tão longe que Ceará, Rio Grande do Norte, Alagoas e Pará.



MaisRecentes

Arena da Baixada recebe evento com forças da segurança pública do Paraná



Continue Lendo

Justiça determina que eleição no Volta Redonda tenha urna para sócios ‘sub judice’



Continue Lendo

Sucesso na temporada faz Fortaleza crescer nas redes sociais



Continue Lendo