Globo vai pagar R$ 900 milhões pelo pacote completo de cinco anos da Série B e dará adiantamento



As negociações chegaram ao fim e os clubes da série B decidiram, após reunião na CBF, renovar o contrato com a Globo. Segundo apurou a De Prima, o investimento no pacotão da Segundona será de R$ 900 milhões referentes a cinco temporadas (de 2018 a 2022).

Como o contrato atual ainda expira ao fim de 2017, ficou acordado entre as partes a realização de um adiantamento de R$ 57 milhões, sem juros e correção monetária. Com isso, os clubes vão receber e dividir entre si, até o final de novembro, R$ 17 milhões (R$ 1 milhão para cada um, já que Botafogo, Bahia e Vitória não entram na conta por terem contratos de Série A). Nos dois anos seguintes (2016 e 2016), o adiantamento será de R$ 20 milhões cada. Com os adiantamentos, a projeção é que cada clube receba por volta de R$ 5 milhões por temporada, um aumento percentual significativo, já que o embolso atual é de R$ 2,7 milhões líquidos por ano.

É importante entender que os clubes não embolsarão diretamente o montante todo de R$ 900 milhões do contrato novo. Como a Globo pagou pelo pacotão, ela incluiu na conta a projeção de gastos com arbitragem e premiação, por exemplo, além dos direitos de transmissão, obviamente.

O acordo prevê um crescimento de investimento com o passar do tempo e ficou desenhado da seguinte forma – sem levar em conta o desconto do adiantamento:

2018 – 170 milhões
2019 – 170 milhões
2020 – 180 milhões
2021 – 190 milhões
2022 – 190 milhões

Os clubes da Série B toparam, apesar de terem sonhado com pacote de R$ 200 milhões por ano.

O Esporte Interativo também chegou a fazer uma proposta oficial pela Série B, mas não conseguiu fisgar os dirigentes. A emissora ofereceu R$ 85 milhões/temporada somente pelos direitos de transmissão para TV fechada. Segundo dirigente ouvido pela coluna, foi levado em conta o quanto os clubes têm atualmente de exposição na Globo e o efeito que isso tem junto aos patrocinadores. Para eles, haveria queda de visibilidade e o reflexo poderia ser a queda de patrocínios.

Os clubes aproveitaram a reunião na CBF para fazer uma lista de pedidos a entidade e emissora. Uma solicitação, por exemplo, é o fim do horário das 21h30 às sextas-feiras, tendo 21h como limite máximo para jogos. Os clubes querem ainda mais matérias no Premiere FC e, por exemplo, um evento de lançamento do campeonato, como meio de valorização.



MaisRecentes

Neymar é o alvo do Real Madrid para o lugar de Cristiano Ronaldo, revela jornalista espanhol



Continue Lendo

Volante Gabriel pode deixar o Corinthians e ir para o futebol grego



Continue Lendo

Facebook e Esporte Interativo podem se unir por direitos da Liga dos Campeões no Brasil



Continue Lendo