Sem aprovar contas, Vasco pode ter problemas para aderir ao Profut



Contas a serem aprovadas pelo Conselho vascaíno são do período em que Roberto Dinamite presidia o clube

O Vasco é um dos clubes que pretendem aderir ao refinanciamento de sua dívida fiscal através do Profut. Mas até o dia 30 de novembro, data limite para a adesão ao programa do governo, o clube de São Januário terá que aprovar, através de seu Conselho Deliberativo, as contas referentes aos anos de 2013 e 2014, quando o clube ainda era presidido por Roberto Dinamite.

Ambos os documentos estão travados no Conselho Fiscal do clube e integram o material exigido pela Receita para as entidades esportivas aderirem ao parcelamento das dívidas.

A não aprovação das contas dos últimos dois anos do Vasco tem diferentes motivos. O balanço financeiro referente ao ano de 2013 não passou por análise de uma auditoria independente, conforme consta no Estatuto do Torcedor.

Já as contas referentes ao ano passado obtiveram apenas o parecer de um dos três membros do Conselho Fiscal, e só depois da avaliação dos outros dois membros titulares é que o documento irá para votação no Conselho Deliberativo.



  • Allex Sandro

    Ô dó !!! kkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  • Jose Antonio

    Roberto Dinamite e Eurico Miranda são amadores , envergonham o Vasco e o futebol brasileiro.Para o Rio de Janeiro só resta uma alternativa . fazer o que está sendo feito no Flamengo .Dirigentes profissionais .

  • Marlon

    GALERA VASCAÍNA, RIVALIDADES A PARTE EU NÃO SOU IGNORANTE E QUERO MUITO VE-LOS CONTINUAR NA SÉRIE A, ACORDEM PARA ESSE PRESIDENTE QUE ENROLA VCS COM BIRRINHAS , PICUINHAS DE LADINHO DE MARACANÃ ENQUANTO O CLUBE SE AFUNDA CADA VEZ MAIS EM DIVIDAS, O PROFUT É A SALVAÇÃO E ESSE ULTRAPASSADO VAI ATRASAR TUDO AI, ACORDEM.

MaisRecentes

‘Agressividade’ de Mattos no mercado rende brincadeiras nos bastidores



Continue Lendo

CBF planeja Seleção de Masters para 2018: projeto social e de imagem



Continue Lendo

CBF ‘absolve’ árbitro que não viu confusão Vizeu x Rhodolfo, mas STJD vai analisar



Continue Lendo