Relator do caso Dudu no STJD vê pena como ‘proporcional’ e por isso fez homologação



Apesar de a suspensão de seis partidas imposta ao palmeirense Dudu ter sido uma proposta da Procuradoria do STJD, a homologação só ocorreu porque o auditor relator do caso, o goiano Miguel Cançado, concordou com a proposta.

Na visão dele, a pena “é proporcional” à infração cometida por Dudu e a homologação “se deu na forma da lei”. Se achasse que a pena era branda ou exagerada, o relator teria a prerrogativa de não homologar e levar o caso a julgamento no Pleno, como estava previsto para acontecer nesta quinta-feira.



MaisRecentes

À espera de decisão da Justiça sobre eleição, oposição se movimenta no Vasco



Continue Lendo

Instituto Guga Kuerten consegue captar doações via ‘Clube do Patrocínio’



Continue Lendo

Grupos respeitam luto por Eurico, mas rearrumação política está em curso



Continue Lendo