‘Lado da torcida’ foi o estopim para saída de Fluminense e Flamengo do arbitral da Ferj



Marcelo Vianna, diretor de competições, e Rubens Lopes, presidente da Ferj (Foto: Úrsula Nery/Ferj)

Marcelo Vianna, diretor de competições, e Rubens Lopes, presidente da Ferj (Foto: Úrsula Nery/Ferj)

Os representantes de Fluminense, Marcelo Penha, e Flamengo, André Galdeano, não deixaram o arbitral da Ferj, que definiu como será o Carioca pelos próximos cinco anos, por acaso.

A indignação partiu do Fluminense, quando os seguintes itens do artigo 18º do regulamento foram levantados:

§ 5º – Nos clássicos da primeira fase, o campeão e o vice-campeão do campeonato imediatamente anterior da série A de profissionais, quando não jogarem entre si, terão o mando de campo.

§ 6º – Nas partidas realizadas no Maracanã, a associação que tiver o mando de campo terá o direito de determinar o posicionamento de sua torcida.

Ou seja, houve uma articulação para colocar no texto uma forma para que o Vasco – campeão estadual em 2014 – tenha o mando de campo contra Fluminense e Flamengo e, como consequência, possa escolher onde posicionar a torcida.

Nessa altura da reunião, a tabela da competição ainda não tinha sido sorteada (com o sorteio, o Flu ficou no Grupo A, junto com o Vasco, não enfrentando o time da Colina na primeira fase). Percebendo a trama para que o lado direito do Maracanã ficasse com o Cruz-maltino – pelo menos, segundo o regulamento -, o representante do Fluminense, Marcelo Penha, se retirou. Ele sequer assinou a presença. André Galdeano, em solidariedade, o seguiu.



MaisRecentes

Vasco acerta aumento pontual da exposição do Azeite Royal na camisa



Continue Lendo

Especialistas em Direito do Esporte se unem em um novo escritório de advocacia



Continue Lendo

Caso Everest: Diário Oficial publica autorização para licitar nova sede do clube



Continue Lendo