Por abandono após acidente, ex-jogador pede R$ 4,5 mi em ação contra grupo DIS e Penapolense



Kauê precisou de tratamento específico após sofrer grave acidente

Kauê precisou de tratamento específico após sofrer grave acidente

Impossibilitado de jogar futebol após sofrer grave acidade automobilístico, o ex-jogador Kauê Siqueira Santos entrou com uma ação por abandono contra o grupo DIS e o CA Penapolense cujos pedidos no processo somam quase R$ 4,5 milhões. Em junho de 2013, Kauê se acidentou gravemente quando se dirigia para o treino do time do interior paulista permanecendo por quase 30 dias na UTI. Kauê sofreu traumatismo craniano encefálico e teve que abandonar os campos com apenas 22 anos.

À época, os familiares solicitaram ajuda do clube e do grupo de investidores para que o atleta fosse transferido para uma unidade hospitalar de melhor qualidade e ajuda em seu tratamento, mas tanto os empresários da DIS quanto os dirigentes da Penapolense informaram que a reabilitação do atleta seria feita pelo SUS pois era dever do Estado cuidar do caso.

Apesar de notificadas para auxiliar na recuperação de Kauê, que teve seqüelas motoras, tanto o grupo de investidores quanto o clube deixaram o caso de lado. O tratamento foi pago com a ajuda de familiares e amigos e o ex-atleta alega que foi abandonado por DIS e Penapolense.

Segundo Roberto Moreno, advogado e um dos executivos da DIS, diz que a empresa apenas representava o jogador e que os direitos federativos de Kauê era do Penapolense.

– Ajudei ele várias vezes, inclusive financeiramente. E houve negligência por parte dele no acidente – rebate Moreno.

Já o ex-presidente do Penapolense, Nilso Moreira, diz “estranhar” a ação pois nem ele ou o clube foram notificados ou intimados ainda.

Veja abaixo os valores dos pedidos incluídos na ação pelo ex-jogador que somam quase R$ 4,5 milhões.

– Seguro Obrigatório do contrato de trabalho (13 salários) = R$ 65 mil
– Reembolso das despesas médicas = R$ 30 mil
– Estabilidade Provisória = R$ 41,7 mil
– Lucro Cessante = R$1,1 milhão
– Pensão Vitalícia = R$2.9 milhões
– Indenização Acidente de Trabalho (Abandono) = R$ 100 mil
– Dano Moral = R$ 50 mil
– Diferença Salários = R$ 84 mil
– Cláusula Compensatória Desportiva = R$ 40 mil
– Férias = R$ 13 mil
– 13º Salário = R$10,5 mil

Total: R$ 4,42 millhões



MaisRecentes

Conselheiros do Palmeiras cobram diretor de futebol Alexandre Mattos



Continue Lendo

No Dia do Professor, COB abre inscrições para curso de iniciação esportiva



Continue Lendo

Mau desempenho do time afeta Maurício Galiotte no comando do Palmeiras



Continue Lendo