Procurador do STJD foi ‘salvo pelo gongo’ de investigação sobre venda de ingressos da Copa



Por Igor Siqueira

O procurador-geral do STJD, Paulo Schmitt, só escapou de uma investigação mais funda sobre a possível venda de ingressos da Copa-2014 porque a polícia estava correndo contra o tempo para fechar o inquérito e prender  a quadrilha enquanto estava no Brasil. Schmitt começou a ser grampeado na reta final da investigação e não houve tempo para colher provas que o incriminassem. Da quadrilha, é certo que ele não fez parte. A polícia notou que, após o grampo, Schmitt passou a falar menos.

Segundo o delegado Fábio Barucke, que comandou a operação de prisão da máfia dos ingressos, Paulo Schmitt diminuiu o volume de conversas porque ficou sabendo pela imprensa que o escândalo tinha estourado. Em uma das conversas, diz Barucke, Schmitt chegou a soltar a frase: “Que tragédia o que está acontecendo”, referindo-se às prisões. O fato de Schmitt ter sido grampeado foi noticiado pela ESPN. O STJD tem um código de ética. Ainda que houvesse provas contra Schmitt, o texto não se aplicaria a ele porque foi feito para os auditores, segundo o presidente do Tribunal, Caio Rocha.



MaisRecentes

Valorizado após a Copa do Mundo, Fágner tem proposta do Napoli-ITA



Continue Lendo

Fora de painel com ídolos em São Januário, Pedrinho deve entrar na próxima expansão



Continue Lendo

Neymar é o alvo do Real Madrid para o lugar de Cristiano Ronaldo, revela jornalista espanhol



Continue Lendo