Juntos, clubes do RJ lucram a metade de um jogo do Palmeiras



No clássico do último domingo, Fluminense e Botafogo lucraram praticamente o mesmo valor que a Ferj, cerca de R$ 67 mil

No clássico do último domingo, Fluminense e Botafogo lucraram praticamente o mesmo valor que a Ferj, cerca de R$ 67 mil

 

A Ferj divulgou ontem uma comparação da renda líquida obtida pelos clubes no Campeonato Carioca nos últimos anos. De acordo com a entidade, os times juntos lucraram R$ 944,4 mil até a 8ª rodada do torneio atual, uma alta de 450% sobre a edição de 2014, ano em que a receita líquida dos clubes foi R$ 171,6 mil. Apesar do aumento, o valor é praticamente a metade do arrecadado pelo Palmeiras em um único jogo. Contra o Capivariano, há duas semanas, o time paulista lucrou R$ 1,8 milhão.

Novo capítulo
A iniciativa da Ferj de publicar os dados deve-se à polêmica envolvendo o Campeonato Carioca 2015 em que os clubes têm arrecadado até menos que a entidade com seus jogos. Em outro gráfico, a Ferj aponta que o público pagante até a 8 rodada foi de 272,6 mil pessoas, alta de 82,7% sobre o estadual de 2014. O título do post é “Números ratificam decisão acertada do conselho arbitral”, rebatendo assim as críticas por limitar o preço dos ingressos no torneio.

Insatisfeitos
Através de sua assessoria, o Fluminense aponta que o modelo atual precisa ser repensado pois os clubes do Rio estão sendo prejudicados. Entre os pontos citados, o clube defende uma redução do percentual da retenção da Ferj nas partidas. No clássico contra o Botafogo, no último domingo, a receita dos clubes foi igual à da entidade, cerca de R$ 67 mil.

Quer mudança
O Fluminense defende ainda que a Ferj passe por uma reformulação interna e pede um plano de longo prazo para o Campeonato Carioca que dê segurança aos patrocinadores e investidores do torneio. O clube aponta ainda que, “se não houver perspectivas de melhoras, irá trabalhar pelas mudanças”. A posição do clube foi enviado à coluna antes dos dados publicados pela Ferj em seu site.

Na espera
Após ação do governo, os deputados decidiram adiar a votação da Lei de Responsabilidade Fiscal do Esporte (LRFE), prevista para ocorrer ontem na Câmara, em Brasília. Os parlamentares vão esperar a apresentação da Medida Provisória (MP) que está sendo elaborada pelo Executivo. Caso o documento não seja publicado até a próxima terça-feira, 17, a LRFE entrará na pauta do Congresso.

Na expectativa
Apesar de ter ido ontem a Brasília para acompanhar a votação da LRFE, a equipe do Bom Senso FC saiu satisfeita do Congresso pelo projeto de lei não ter sido debatido pelos parlamentares. O movimento de atletas acredita na abrangência da MP do governo e era favorável ao adiamento para aguardar o documento que será apresentado pelo Executivo nos próximos dias.

Missão
Novo diretor adjunto de marketing do São Paulo, o empresário Vinícius Pinotti ficará à frente do projeto são-paulino de montar um grupo de executivos que invistam no clube para ajudar nas contratações. A iniciativa foi lançada na apresentação do meia-atacante argentino Centurión, cujos R$ 13 milhões foram bancados pelo próprio Pinotti, há cerca de um mês.

Apuração
Nos últimos anos, a defesa mais apresentada pelos atletas pegos no exame antidoping é a de culpar farmácias de manipulação por erros na fabricação de medicamentos e suplementos.

O mais recente deles foi o do nadador brasileiro João Gomes Jr., cujo argumento foi aceito pela Federação Internacional de Natação (Fina) lhe conferindo uma pena de apenas 6 meses.

O nome da farmácia ou o tipo de erro que levou ao doping, entretanto, não foram apresentados no julgamento.

Contatada, a Associação Nacional de Farmacêutico Magistrados (Anfarmag) aponta que soube do fato apenas através da imprensa. Mas que já abriu uma apuração para saber o nome da farmácia e confirmar seu envolvimento no caso.

O resultado, porém, corre em sigilo no Comitê de Ética da entidade.

De Letra

“A unanimidade é burra. Tem que haver divergências”

Wlademir Pescarmona, conselheiro de oposição do Palmeiras, sobre a posição de seu grupo na política do clube.



MaisRecentes

Novo diretor de futebol do Fluminense, Paulo Angioni tem três nomes para lugar de Abel Braga



Continue Lendo

Fernanda Colombo deixa a arbitragem, lança livro e quer ser comentarista



Continue Lendo

Audiência pública promete pressionar políticos contra MP que retira recursos do esporte



Continue Lendo