Juntos, clubes do RJ lucram a metade de um jogo do Palmeiras



No clássico do último domingo, Fluminense e Botafogo lucraram praticamente o mesmo valor que a Ferj, cerca de R$ 67 mil

No clássico do último domingo, Fluminense e Botafogo lucraram praticamente o mesmo valor que a Ferj, cerca de R$ 67 mil

 

A Ferj divulgou ontem uma comparação da renda líquida obtida pelos clubes no Campeonato Carioca nos últimos anos. De acordo com a entidade, os times juntos lucraram R$ 944,4 mil até a 8ª rodada do torneio atual, uma alta de 450% sobre a edição de 2014, ano em que a receita líquida dos clubes foi R$ 171,6 mil. Apesar do aumento, o valor é praticamente a metade do arrecadado pelo Palmeiras em um único jogo. Contra o Capivariano, há duas semanas, o time paulista lucrou R$ 1,8 milhão.

Novo capítulo
A iniciativa da Ferj de publicar os dados deve-se à polêmica envolvendo o Campeonato Carioca 2015 em que os clubes têm arrecadado até menos que a entidade com seus jogos. Em outro gráfico, a Ferj aponta que o público pagante até a 8 rodada foi de 272,6 mil pessoas, alta de 82,7% sobre o estadual de 2014. O título do post é “Números ratificam decisão acertada do conselho arbitral”, rebatendo assim as críticas por limitar o preço dos ingressos no torneio.

Insatisfeitos
Através de sua assessoria, o Fluminense aponta que o modelo atual precisa ser repensado pois os clubes do Rio estão sendo prejudicados. Entre os pontos citados, o clube defende uma redução do percentual da retenção da Ferj nas partidas. No clássico contra o Botafogo, no último domingo, a receita dos clubes foi igual à da entidade, cerca de R$ 67 mil.

Quer mudança
O Fluminense defende ainda que a Ferj passe por uma reformulação interna e pede um plano de longo prazo para o Campeonato Carioca que dê segurança aos patrocinadores e investidores do torneio. O clube aponta ainda que, “se não houver perspectivas de melhoras, irá trabalhar pelas mudanças”. A posição do clube foi enviado à coluna antes dos dados publicados pela Ferj em seu site.

Na espera
Após ação do governo, os deputados decidiram adiar a votação da Lei de Responsabilidade Fiscal do Esporte (LRFE), prevista para ocorrer ontem na Câmara, em Brasília. Os parlamentares vão esperar a apresentação da Medida Provisória (MP) que está sendo elaborada pelo Executivo. Caso o documento não seja publicado até a próxima terça-feira, 17, a LRFE entrará na pauta do Congresso.

Na expectativa
Apesar de ter ido ontem a Brasília para acompanhar a votação da LRFE, a equipe do Bom Senso FC saiu satisfeita do Congresso pelo projeto de lei não ter sido debatido pelos parlamentares. O movimento de atletas acredita na abrangência da MP do governo e era favorável ao adiamento para aguardar o documento que será apresentado pelo Executivo nos próximos dias.

Missão
Novo diretor adjunto de marketing do São Paulo, o empresário Vinícius Pinotti ficará à frente do projeto são-paulino de montar um grupo de executivos que invistam no clube para ajudar nas contratações. A iniciativa foi lançada na apresentação do meia-atacante argentino Centurión, cujos R$ 13 milhões foram bancados pelo próprio Pinotti, há cerca de um mês.

Apuração
Nos últimos anos, a defesa mais apresentada pelos atletas pegos no exame antidoping é a de culpar farmácias de manipulação por erros na fabricação de medicamentos e suplementos.

O mais recente deles foi o do nadador brasileiro João Gomes Jr., cujo argumento foi aceito pela Federação Internacional de Natação (Fina) lhe conferindo uma pena de apenas 6 meses.

O nome da farmácia ou o tipo de erro que levou ao doping, entretanto, não foram apresentados no julgamento.

Contatada, a Associação Nacional de Farmacêutico Magistrados (Anfarmag) aponta que soube do fato apenas através da imprensa. Mas que já abriu uma apuração para saber o nome da farmácia e confirmar seu envolvimento no caso.

O resultado, porém, corre em sigilo no Comitê de Ética da entidade.

De Letra

“A unanimidade é burra. Tem que haver divergências”

Wlademir Pescarmona, conselheiro de oposição do Palmeiras, sobre a posição de seu grupo na política do clube.



  • Leonardo

    Tenho certeza que os dirigentes ficaram mais ricos.

  • Ruben

    A verdade é que o Campeonato Carioca é de um nível técnico muito baixo.
    Se cobram caro, ninguém vai. Se cobram pouco, aumenta o público mas ninguém lucra…

    Os estaduais em geral caíram muito. Até o Paulista, que costumava ser mais equilibrado está fraco esse ano, com poucos times do interior fazendo frente aos 4 grandes.

  • José Borin

    Mesmo assim acho que o que a FPF cobra é exagerado, bem como as despesas accessórias. Acho que deveria haver uma liga para organizar o campeonato, e no caso do Palmeiras, rever o que fica com a W Torre, aluguel, e não sei se tem algum outro tipo de pagamento para esta empresa.

    • Jonas

      a WTorre não recebe nada pelos jogos de futebol no estádio, a renda fica toda com o Palmeiras.

      • José Henrique

        Errado. Tem aluguel do estádio sim. O Palmeiras gasta cerca de 800 mil por jogo em seu estádio.

        • Wilson Fabiano

          O palmeiras gasta cerca de R$ 700 mil por jogo pra mandar o jogo no Allianz, despesa operacional,( incluindo pequeno valor para Wtorre para despesas agua, energia)
          O caso que o Corinthians gasta muito tbem para mandar seus jogos em Itaquera, chega perto desse valor. e o eles não tem W torre.

          Arenas modernas são caras, mas muito rentavel.

        • Elvis

          Cara… esses 800 mil que o Palmeiras gasta não é de aluguel e sim as despesas do estádio… a título de comparação: o Corinthians gasta cerca de 600 mil em um jogo no Itaquerão…. Essas despesas são de segurança, PM, FPF, etc…

        • Flavio

          Isso se chama dor de cotovelo, a renda de R$ 1.800.000,00 é liquida e toda para o Palmeiras…..

        • rogério rufini

          palmeiras paga 400 mil, que depois volta para o caixa, simples

  • Luiz

    Jornalistas e números… Que desgraça.

  • j. sales

    enquanto os clubes do rio tentam lotar estádios nesse fraco carioca e ganharem merreca em relação a outros campeonatos a ferj lucra e não se importa com os clubes.

  • aderbal

    A FERJ vem há anos enriquecendo em detrimento dos clubes, está falindo os times de menor investimento, as Séries B e C são um fiasco total, com altíssimas taxas e obrigações financeiras, não havendo nenhum tipo de retorno para os falidos Clubes. Só quem ganha é o Bangu, pois desde que seu presidente assumiu a FERJ subiu pra primeira divisão e nunca mais caiu!!! VERGONHA!!!

  • Mauricio

    “VOLTA RIO-SP”, FAÇAM 2 CAMPEONATOS, O ESTADUAL COM OS GRANDES ENTRANDO NAS FAZES FINAIS E UM RIO SÃO PAULO SÓ COM OS GRANDES.

  • Marcelo Savioli

    Essa história do Palmeiras é um engodo.

    Não tem nada de lucrou R$1,8 milhão.

    http://www.otricolor.com/?pg=noticia&id=7936

    • Diego

      Enquanto isso na Vila Sônia… SPFC vs São Bento (1 x 0) teve apenas 4.507 testemunhas no estádio (renda de R$ 119.375,00).

      Continuem TENTANDO criticar o Palmeiras por favor…

MaisRecentes

CBF começa treinar instrutores para curso do árbitro de vídeo



Continue Lendo

Se estrear na próxima rodada, árbitro de vídeo não será para todos os jogos da Série A



Continue Lendo

Licenciamento vira argumento de CBF e clubes para minimizar liminar contra exigência de CND



Continue Lendo