Juntos, clubes do RJ lucram a metade de um jogo do Palmeiras



No clássico do último domingo, Fluminense e Botafogo lucraram praticamente o mesmo valor que a Ferj, cerca de R$ 67 mil

No clássico do último domingo, Fluminense e Botafogo lucraram praticamente o mesmo valor que a Ferj, cerca de R$ 67 mil

 

A Ferj divulgou ontem uma comparação da renda líquida obtida pelos clubes no Campeonato Carioca nos últimos anos. De acordo com a entidade, os times juntos lucraram R$ 944,4 mil até a 8ª rodada do torneio atual, uma alta de 450% sobre a edição de 2014, ano em que a receita líquida dos clubes foi R$ 171,6 mil. Apesar do aumento, o valor é praticamente a metade do arrecadado pelo Palmeiras em um único jogo. Contra o Capivariano, há duas semanas, o time paulista lucrou R$ 1,8 milhão.

Novo capítulo
A iniciativa da Ferj de publicar os dados deve-se à polêmica envolvendo o Campeonato Carioca 2015 em que os clubes têm arrecadado até menos que a entidade com seus jogos. Em outro gráfico, a Ferj aponta que o público pagante até a 8 rodada foi de 272,6 mil pessoas, alta de 82,7% sobre o estadual de 2014. O título do post é “Números ratificam decisão acertada do conselho arbitral”, rebatendo assim as críticas por limitar o preço dos ingressos no torneio.

Insatisfeitos
Através de sua assessoria, o Fluminense aponta que o modelo atual precisa ser repensado pois os clubes do Rio estão sendo prejudicados. Entre os pontos citados, o clube defende uma redução do percentual da retenção da Ferj nas partidas. No clássico contra o Botafogo, no último domingo, a receita dos clubes foi igual à da entidade, cerca de R$ 67 mil.

Quer mudança
O Fluminense defende ainda que a Ferj passe por uma reformulação interna e pede um plano de longo prazo para o Campeonato Carioca que dê segurança aos patrocinadores e investidores do torneio. O clube aponta ainda que, “se não houver perspectivas de melhoras, irá trabalhar pelas mudanças”. A posição do clube foi enviado à coluna antes dos dados publicados pela Ferj em seu site.

Na espera
Após ação do governo, os deputados decidiram adiar a votação da Lei de Responsabilidade Fiscal do Esporte (LRFE), prevista para ocorrer ontem na Câmara, em Brasília. Os parlamentares vão esperar a apresentação da Medida Provisória (MP) que está sendo elaborada pelo Executivo. Caso o documento não seja publicado até a próxima terça-feira, 17, a LRFE entrará na pauta do Congresso.

Na expectativa
Apesar de ter ido ontem a Brasília para acompanhar a votação da LRFE, a equipe do Bom Senso FC saiu satisfeita do Congresso pelo projeto de lei não ter sido debatido pelos parlamentares. O movimento de atletas acredita na abrangência da MP do governo e era favorável ao adiamento para aguardar o documento que será apresentado pelo Executivo nos próximos dias.

Missão
Novo diretor adjunto de marketing do São Paulo, o empresário Vinícius Pinotti ficará à frente do projeto são-paulino de montar um grupo de executivos que invistam no clube para ajudar nas contratações. A iniciativa foi lançada na apresentação do meia-atacante argentino Centurión, cujos R$ 13 milhões foram bancados pelo próprio Pinotti, há cerca de um mês.

Apuração
Nos últimos anos, a defesa mais apresentada pelos atletas pegos no exame antidoping é a de culpar farmácias de manipulação por erros na fabricação de medicamentos e suplementos.

O mais recente deles foi o do nadador brasileiro João Gomes Jr., cujo argumento foi aceito pela Federação Internacional de Natação (Fina) lhe conferindo uma pena de apenas 6 meses.

O nome da farmácia ou o tipo de erro que levou ao doping, entretanto, não foram apresentados no julgamento.

Contatada, a Associação Nacional de Farmacêutico Magistrados (Anfarmag) aponta que soube do fato apenas através da imprensa. Mas que já abriu uma apuração para saber o nome da farmácia e confirmar seu envolvimento no caso.

O resultado, porém, corre em sigilo no Comitê de Ética da entidade.

De Letra

“A unanimidade é burra. Tem que haver divergências”

Wlademir Pescarmona, conselheiro de oposição do Palmeiras, sobre a posição de seu grupo na política do clube.



  • Leonardo

    Tenho certeza que os dirigentes ficaram mais ricos.

  • Ruben

    A verdade é que o Campeonato Carioca é de um nível técnico muito baixo.
    Se cobram caro, ninguém vai. Se cobram pouco, aumenta o público mas ninguém lucra…

    Os estaduais em geral caíram muito. Até o Paulista, que costumava ser mais equilibrado está fraco esse ano, com poucos times do interior fazendo frente aos 4 grandes.

  • José Borin

    Mesmo assim acho que o que a FPF cobra é exagerado, bem como as despesas accessórias. Acho que deveria haver uma liga para organizar o campeonato, e no caso do Palmeiras, rever o que fica com a W Torre, aluguel, e não sei se tem algum outro tipo de pagamento para esta empresa.

    • Jonas

      a WTorre não recebe nada pelos jogos de futebol no estádio, a renda fica toda com o Palmeiras.

      • José Henrique

        Errado. Tem aluguel do estádio sim. O Palmeiras gasta cerca de 800 mil por jogo em seu estádio.

        • Wilson Fabiano

          O palmeiras gasta cerca de R$ 700 mil por jogo pra mandar o jogo no Allianz, despesa operacional,( incluindo pequeno valor para Wtorre para despesas agua, energia)
          O caso que o Corinthians gasta muito tbem para mandar seus jogos em Itaquera, chega perto desse valor. e o eles não tem W torre.

          Arenas modernas são caras, mas muito rentavel.

        • Elvis

          Cara… esses 800 mil que o Palmeiras gasta não é de aluguel e sim as despesas do estádio… a título de comparação: o Corinthians gasta cerca de 600 mil em um jogo no Itaquerão…. Essas despesas são de segurança, PM, FPF, etc…

        • Flavio

          Isso se chama dor de cotovelo, a renda de R$ 1.800.000,00 é liquida e toda para o Palmeiras…..

        • rogério rufini

          palmeiras paga 400 mil, que depois volta para o caixa, simples

  • Luiz

    Jornalistas e números… Que desgraça.

  • j. sales

    enquanto os clubes do rio tentam lotar estádios nesse fraco carioca e ganharem merreca em relação a outros campeonatos a ferj lucra e não se importa com os clubes.

  • aderbal

    A FERJ vem há anos enriquecendo em detrimento dos clubes, está falindo os times de menor investimento, as Séries B e C são um fiasco total, com altíssimas taxas e obrigações financeiras, não havendo nenhum tipo de retorno para os falidos Clubes. Só quem ganha é o Bangu, pois desde que seu presidente assumiu a FERJ subiu pra primeira divisão e nunca mais caiu!!! VERGONHA!!!

  • Mauricio

    “VOLTA RIO-SP”, FAÇAM 2 CAMPEONATOS, O ESTADUAL COM OS GRANDES ENTRANDO NAS FAZES FINAIS E UM RIO SÃO PAULO SÓ COM OS GRANDES.

  • Marcelo Savioli

    Essa história do Palmeiras é um engodo.

    Não tem nada de lucrou R$1,8 milhão.

    http://www.otricolor.com/?pg=noticia&id=7936

    • Diego

      Enquanto isso na Vila Sônia… SPFC vs São Bento (1 x 0) teve apenas 4.507 testemunhas no estádio (renda de R$ 119.375,00).

      Continuem TENTANDO criticar o Palmeiras por favor…

MaisRecentes

CBF ‘absolve’ árbitro que não viu confusão Vizeu x Rhodolfo, mas STJD vai analisar



Continue Lendo

Diretor da Chape compara permanência na Série A a título da Champions League



Continue Lendo

Botafogo sai da lista de clubes formadores da CBF. Coritiba retorna



Continue Lendo