Rio 2016: delegações vão investir em clubes brasileiros para melhorar estrutura esportiva



Clubes brasileiros receberão investimentos de delegações que virão para os Jogos Rio 2016

Clubes brasileiros receberão investimentos de delegações que virão para os Jogos Rio 2016

Por conta dos Jogos Rio-2016, clubes esportivos estão sendo selecionados para receber as delegações que irão participar do evento. Com a escolha, muitos desses clubes irão se beneficiar do investimento estrangeiro para modernizar suas instalações esportivas e se adequar aos requisitos das equipes. “Essas delegações já estão investindo para melhorar as estruturas dos clubes”, diz Jair Alfredo Pereira, presidente da Confederação Brasileira dos Clubes (CBC). Flamengo e Minas Tênis Clube estão nessa lista.

Causas da crise
Sobre a crise financeira vivida hoje por muitos clubes no país, o presidente da CBC aponta que a principal causa é a má gestão das agremiações e cujo problema se acentuou com os altos tributos pagos ao governo. Ele cita a Lei de Responsabilidade Fiscal do Esporte (LRFE), que tramita em Brasília, como uma iniciativa que ajudará os tradicionais clubes a se reerguer. “É um projeto que vai além do futebol”, afirma Pereira.

Tem que mudar
Sobre o formato do Campeonato Brasileiro, o presidente do Atlético-MG, Daniel Nepomuceno, é mais um a reforçar o coro dos dirigentes que preferem a volta do sistema mata-mata. “Sou a favor desde que reduza o número de jogos pois o torneio está muito longo”, diz ele. Na sua opinião, o ideal seria quatro datas para os confrontos decisivos, sendo dois de semifinais e outros dois para a final.

Bom momento
Dirigentes do Botafogo apontam dois fatores para a boa fase de Jobson dentro e fora campo. O primeiro é o trabalho realizado por um coaching no clube, cuja função é motivar e preparar os atletas psicologicamente. O outro é o problema que o atacante passou no Al-Ittihad, da Arábia Saudita, onde ficou meses sem poder sair do país por problemas no acordo com o clube árabe.

Cornetada
Conselheiro do São Paulo, o empresário Abílio Diniz criticou a postura dos jogadores são-paulinos neste início de temporada. Segundo ele, os atletas do time estão jogando sem vontade e que precisa ter mais garra para pensar em títulos neste ano. “Atleta que quer fazer sucesso tem que correr, e não é isso que está ocorrendo no São Paulo”, comentou Diniz. Já sobre Muricy Ramalho, ele diz que o técnico “está fazendo o que pode” com o time.

Outra postura
Questionado sobre a gestão do presidente Carlos Miguel Aidar à frente do clube, Abílio Diniz disse que “não fala sobre os dirigentes do clube”. No final do ano passado, entretanto, o empresário, que tem um blog em que escreve sobre São Paulo, publicou um texto intitulado “Preocupante Futebol Clube” onde criticou a “lambança do senhor Aidar” citando que a crise política do clube estava influenciando os resultados do time em campo.

De casa nova
O executivo Carlos Aragaki, especialista em auditoria de clubes de futebol há mais de 15 anos, passou a atuar por uma nova empresa neste ano. Ele deixou a francesa Mazars, onde era um dos sócios no país, para assumir a operação da inglesa UHY Moreira em São Paulo.

Engajamento
Sempre um passo à frente dos outros países quando o assunto é gestão esportiva, os times dos EUA têm aprimorado as formas de se relacionar com os torcedores através da análise de dados.

O New York Mets, por exemplo, time de beisebol que é um dos mais populares do esporte americano, fechou acordo com uma empresa de Business Analytics, a SAS, para proporcionar maior engajamento com os torcedores.

A análise abrange desde quando e onde os ingressos são adquiridos até os assentos e bebidas preferidas de cada fã visando oferecer ações totalmente customizadas.

Ação semelhante também já é feita pelo Orlando Magic, da NBA, e a Major League Soccer (MLS).

Com os programas de sócios em alta no futebol brasileiro, o clube que se espelhar nos EUA levará vantagem sobre os rivais.

De Letra

“Estamos fazendo o papel de ‘paitrocínio’”

Jair Alfredo Pereira, presidente da Confederação Brasileira de Clubes (CBC), sobre a verba destinada a clubes do país através de parceria com o Min. do Esporte.



  • Janis Ritins

    Caso o mata mata volte, cancelarei o pay-per-view e o sócio torcedor. Não podemos retroceder, involuir!!!

MaisRecentes

Promotor vê cessão de ingressos como incentivadora da violência das torcidas



Continue Lendo

Del Nero estava em reunião quando soube de suspensão. E não pode pisar na CBF



Continue Lendo

Ideia de biometria em setor de organizadas não entra em regulamento da CBF



Continue Lendo