Nike pagou convite para o Mundial de Basquete, diz dirigente da LNB



Seleção Brasileira disputou Mundial de Basquete após ser convidada pela Fiba e ter que pagar R$ 2,7 milhões pela participação

Segundo Kouros Monadjemi, diretor e ex-presidente da Liga Nacional de Basquete (LNB), o valor de R$ 2,7 milhões relativos à participação do Brasil no Mundial de Basquete, realizado em setembro, na Espanha, foi pago pela Nike. Questionado sobre o caso, o presidente da Confederação Brasileira de Basquete (CBB), Carlos Nunes, desconversou dizendo que “o convite já foi pago e o que interessa agora é daqui para frente”. Já a Nike, que é parceira da CBB, esclarece que cumpre o contrato com a entidade e que “nada extra foi efetuado” em relação a participação do Brasil no Mundial de Basquete.

Segunda D
A Casa Civil deverá entregar o substitutivo completo da Lei de Responsabilidade Fiscal do Esporte para o deputado Vicente Cândido e para o Bom Senso nesta próxima segunda-feira. A questão, agora, é se Cândido vai acatar o teor do novo documento, após as dissidências entre os setores interessados na LRFE ter aumentado na última quarta-feira.

Traquejo político
Em Brasília, o movimento dos jogadores vem sendo duramente criticado nos bastidores. Uma parte alega que não há “traquejo político” do Bom Senso e que o grupo é “idealista demais para Brasília”. Secretário Nacional do Esporte, Toninho Nascimento afirmou, há cerca de um mês, que o erro do movimento dos atletas foi “ter ido chorar para a mãe (Governo) em vez de negociar com os donos do boi (deputados)”.

Mal visto
Não caiu bem entre os conselheiros do São Paulo o episódio em que o presidente Carlos Miguel Aidar foi a um evento do clube com uma camisa da Under Armour, provável próximo fornecedor do time do Morumbi. “O mercado não admira esse tipo de conduta”, disse um conselheiro. De outro lado, correligionários de Aidar dizem que não houve intenção de provocação. A camiseta teria sido dada ao presidente por um parente.

Injeção de ânimo
Com o adiamento da eleição do Santos para hoje, as chapas dos cinco candidatos a presidente do clube passaram a semana focando seus trabalhos na motivação dos eleitores que moram fora das cidades onde ocorrerão a votação. A avaliação é que muitos poderão deixar de ir a Santos ou São Paulo pela segunda vez em uma semana apenas para votar em seus candidatos.

Acordos mantidos
Enquanto o Banco do Brasil suspendeu o patrocínio com a CBV, os outros parceiros da entidade decidiram manter seus acordos. Segundo a Gol, a empresa “vai manter a parceria pois nunca teve problemas com seu patrocínio”. Já a Olympikus manterá o contrato mas “espera que a CBV esclareça o caso o mais breve possível”.

Fora de forma
O Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB) lançou na última quarta-feira, 10, a campanha “Mude o Impossível”. Apesar de reunir dez dos maiores nomes do esporte paralímpico do país, como Daniel Dias (Natação) e  Fernando Fernandes (Canoagem), a ação deixou de fora Alan Fonteles (Atletismo), campeão paralímpico em Londres-2012. Segundo o CPB, o atleta “não cumpriu as metas estabelecidas” pela entidade para estar na campanha.

Dois lados

A TV é o principal parceiro do futebol e boa parte da renda depende de transmissões em TV aberta e venda de PPV.

No Brasil, o jogos só passam na TV aberta às quartas e domingos, com algumas exceções aos sábados.

A audiência dessas transmissões caem há anos e os resultados têm incomodado a detentora dos direitos de transmissão.

Na Premier League (ING), entretanto, liga mais rica do planeta, o caminho é inverso.
A partir de 2016, a liga inglesa terá jogos nas noites de sexta-feira, além das noites de sábado, tardes de domingo e noites de segunda.

E nenhuma TV pode ter mais de 50% dos jogos. A ideia dos ingleses é estimular a concorrência e elevar o valor da liga.

Nada poderia ser mais distante da nossa realidade.

De Letra

“Tenho 60 anos, mas no Conselho sou considerado um garoto”

Marco Aurélio Cunha, conselheiro do São Paulo, que deve ser nomeado conselheiro vitalício do clube na próxima segunda.



  • Charles

    Barbaridade, e pensar que o cara de abacaxi conseguiu implodir o clube dos 13, que poderia fazer esse papel, valorizando o campeonato e aumentando as cotas.

MaisRecentes

Presidente eleito da Federação Mineira vê clubes de BH no mesmo nível de SP e RJ



Continue Lendo

Del Nero promete solução na segunda-feira para transmissão dos jogos da Seleção



Continue Lendo

Presidente da Ferj tira terceira licença em 2017



Continue Lendo