Decisão inédita afeta clubes do interior



Por dívidas trabalhistas, o Tribunal Regional do Trabalho de Campinas penhorou o ginásio de esportes Panela de Pressão, do E.C. Noroeste, de Bauru-SP. Divulgada ontem, a decisão é inédita por abranger um bem até então considerado “impenhorável” e abre brechas para que outros clubes, em sua maioria do interior, tenham seus bens penhorados para quitar dívidas trabalhistas. Ações semelhantes correm contra outros clubes paulistas, como Guarani, Marília, América, Matonense e São José.

Terceirizado
O valor total das dívidas trabalhistas do E.C. Noroeste gira em torno de R$ 3 milhões e outras dezenas de processos estão em andamento contra o clube, somando quase R$ 7 milhões. O ginásio Panela de Pressão integra um complexo esportivo do clube, mas há dois anos está alugado para a Prefeitura de Bauru e a empresa Paschoalotto Bauru Basket, detentora do time de basquete da cidade que atua no NBB. O fato de ser utilizado por terceiros foi levado em consideração pela juíza na decisão do caso.

Possível leilão
O caso irá para a Vara do Trabalho de Bauru, que irá avaliar o valor do local penhorado. O passo seguinte será realizar um leilão do ginásio para acertar as dívidas trabalhistas com as dezenas de atletas e funcionários que passaram pelo E.C. Noroeste. Segundo Toninho Gimenez, presidente do Conselho do clube de Bauru, o clube tentará um acordo para evitar que o ginásio do clube seja leiloado.

Contrato
De olho nos Jogos Rio 2016, a Nike fechou patrocínio com o atleta paralímpico Alan Fonteles. O tempo de contrato não foi revelado pela empresa. Biamputado, Fonteles se destacou ao ganhar a medalha de ouro nos 200 metros rasos das Olimpíadas de Londres, em 2012, batendo o sul-africano Oscar Pistorius.

MISTÉRIO

A transferência de R$ 65 milhões do atacante italiano Mario Balotelli para o Liverpool ainda é objeto de polêmica na mídia esportiva europeia.

Além de reviravoltas nas negociações, ainda não se sabe como o Milan e o Liverpool se livraram do maior obstáculo para a transferência: o empresário do jogador.

Isso porque a Premier League (Inglaterra) não permite a TPO (participação de terceiros em atletas), ao contrário de França, Espanha, Portugal e Itália.

O clube alega que comprou o jogador diretamente do Milan. Mas segundo informações do Sunday Times, o clube italiano fez uma manobra, através de empréstimos offshore, para que o empresário continuasse como “sócio-oculto” de Balotelli.

Essa história mostra como a batalha da Fifa contra o TPO será árdua.
DE LETRA

“Tem candidato que é tão popular quanto o Chiquinho Scarpa na favela”

Orlando Rollo, pré-candidato de oposição à presidência do Santos, sobre seus rivais no pleito de dezembro.

 

 



MaisRecentes

Promotor vê cessão de ingressos como incentivadora da violência das torcidas



Continue Lendo

Del Nero estava em reunião quando soube de suspensão. E não pode pisar na CBF



Continue Lendo

Ideia de biometria em setor de organizadas não entra em regulamento da CBF



Continue Lendo