Clubes ignoram Bom Senso e fogem de responsabilidade fiscal



A proposta final elaborada pelos clubes para a Lei de Responsabilidade Fiscal do Esporte deixou de fora a alteração do Estatuto do Torcedor necessária para que as punições técnicas estejam amparadas na lei. Segundo o Estatuto, somente critérios técnicos podem ser usados para punir esportivamente as equipes.

Para o Bom Senso FC, se não houver a modificação no documento, os clubes que eventualmente sejam punidos poderão recorrer à Justiça Comum para reverter a punição, o que comprometeria a efetividade da lei. O grupo se reuniu com o Ministério do Esporte nesta quarta-feira, com o intuito de debater pontos de discordância, mas os cartolas não comparecerem, alegando que já fecharam as negociações.

A decisão dos clubes reforçou entre os dirigentes do Bom Senso FC a ideia de que os cartolas não querem dar as contrapartidas de Fair Play Financeiro para a renegociação da dívidas. Os dirigentes também deixaram de lado a proposta de proibir a antecipação de receitas que não seja usada para o aumento do ativo do clube. Na proposta da cartolagem, todo ‘passivo oneroso’ seria motivo para antecipar receitas.



MaisRecentes

Vasco acerta aumento pontual da exposição do Azeite Royal na camisa



Continue Lendo

Especialistas em Direito do Esporte se unem em um novo escritório de advocacia



Continue Lendo

Caso Everest: Diário Oficial publica autorização para licitar nova sede do clube



Continue Lendo