Organizador da Indy rebate prefeito de SP: ‘Retorno é muito maior’



Formula Indy não será mais realizada em São Paulo

Em 2015, a Fórmula Indy ocorrerá em Brasília e não mais em São Paulo. De acordo com o prefeito da capital paulista, Fernando Haddad, a cidade deixou de investir R$ 35 milhões no evento por não trazer retorno financeiro para São Paulo. O motivo, entretanto, foi rebatido por Marcelo Meira, vice-presidente do Grupo Bandeirantes, que é a organizadora da Indy no país. ‘Temos dados da SPTuris de que o retorno era muito maior’, diz Meira, citando movimentação em torno de R$ 120 milhões na cidade com a prova.

Sempre ele
O Caso Neymar deve continuar agitando a política do Santos. O pré-candidato Orlando Rollo, do grupo de oposição Terceira Via, está prestes a ir novamente à Espanha para uma reunião com Marc Duch, líder da oposição do Barcelona. Duch teve acesso a novos contratos da negociação de Neymar na última semana, que serão usados por Rollo em um relatório para o Conselho do clube.

Gastos na F1
Os cerca de 18 mil estrangeiros que devem ir ao GP do Brasil vão gastar em média R$ 1,1 mil no evento, segundo pesquisa feita pelos organizadores da prova em parceria com a SPTuris. Já o gasto médio do brasileiro é de R$ 414. Os valores são gastos em lojas (38,3%), estacionamento (28,8%), alimentação e bebidas (18,7%) e táxi e transporte (14,2%).

Sem crédito
Em um universo com os 50 principais atletas que atuam no país de várias modalidades, o meia palmeirense Valdívia foi o que obteve o índice mais baixo em relação ao atributo “Confiável”, com apenas 24%. A média neste quesito ficou em 40%. O dado é do estudo N-Score, da Nielsen Sports, feito através de 1 mil entrevistas online em diversas cidades brasileiras.

GUARDA-CHUVA

As punições que atletas, clubes e entidades podem sofrer são as mais diversas possíveis dentro do futebol no Brasil.

Os artigos da lei abrangem desde agressões, irregularidades na inscrição de atletas e até por falta de ética desportiva.

Mas apesar da sua abrangência, a legislação voltada ao esporte conta com um ‘artigo coringa’ que é utilizado para todos os casos que não se enquadram em nenhum outro artigo da lei.

Foi o caso da CBF e da FPF, que podem ser punidas no caso de registro irregular do jogador Petros, do Corinthians.
Ambas as entidades foram denunciadas no artigo 191, que prevê multa de R$ 100 a R$ 100 mil.

E por abranger os mais diferentes casos, o artigo 191 é chamado no meio jurídico de ‘guarda-chuva’.

DE LETRA

“Temos que ficar no azul ou ao menos empatar”

Wilson Poit, presidente da SPTuris, sobre a realização de eventos em Interlagos para equilibrar as contas do autódromo.



MaisRecentes

Vitória de Mufarrej no Botafogo não significará troca de funcionários



Continue Lendo

Presidente do COB diz que entidade já mudou e pede: ‘Vejam com outros olhos’



Continue Lendo

Corinthians espera premiação do Brasileiro em dezembro



Continue Lendo