Recessão do futebol atinge a Globo



A divulgação do pacote de publicidade da Rede Globo para a temporada 2015 pelo jornal Meio & Mensagem é mais um indicativo que o futebol brasileiro passa por uma recessão. Para o ano que vem, as seis cotas de Publicidade vendidas pela emissora totalizam R$ 1,35 bilhão. O valor é 21% maior do que o de 2014. No entanto, não houve aumento real. O preço do pacote em 2012, de R$ 1,17 bilhão, atualizado com a inflação registrada no período (15,3%), é o mesmo R$ 1,35 bilhão negociado atualmente.

Enviando CV
Com o contrato encerrado no final deste ano, o diretor-executivo do Palmeiras, José Carlos Brunoro, já afirmou que não ficará no cargo em 2015. Mas isso não quer dizer que ele deixará o futebol. Pessoas ligadas a Brunoro afirmam que sua intenção é exercer alguma função em outro clube ou entidade ligada ao Esporte.

Profissional
O candidato à presidência do Santos, Nabil Khaznadar, fechou contrato com a agência Ideal para cuidar da estratégica de comunicação de sua campanha para as eleições que ocorrem no próximo dia 6 de dezembro. Segundo ele, a intenção com a empresa é dar uma ‘gestão profissional à sua campanha’. Vale lembrar que a comunicação do clube santista já é terceirizada e uma vitória de Nabil abriria as portas para a agência no Santos.

AUTÊNTICO

O jogo Fifa é um dos mais vendidos em todo o mundo, tendo 65% de participação de mercado brasileiro no segmento Esporte.

E um dos pontos que a EA Sports, fabricante do jogo, não abre mão é a sua autenticidade, com uniformes atualizados e jogadores com movimentos iguais aos dos atletas reais, como nas comemorações dos gols.

E a empresa responsável pelo game Fifa tem uma curiosa forma de se adaptar ao grande número de transferências que ocorre ao longo da temporada de futebol, com inúmeros jogadores trocando de clubes.

Ao gravar as narrações dos jogos, a EA Sports tem o cuidado de não citar o nome de um atleta ou técnico junto com o clube em que atua, pois caso ele troque de time a adaptação do game é mais simples e rápida.



  • Lupemeci

    Quanto ao FIFA (2015), esqueceram de citar que este ano a EA SPORTS foi no minimo infeliz ao retirar os times Brasileiros e sua Liga do conteudo do game, independentemente do motivo.

    Pelo que arrecada (inclusive no BRASIL) e pelo respeito que deveria ter ao consumidor brasileiro, isso não poderia ocorrer.

    Obs.: outro desrespeito ao brasileiro é o lançamento ser em data diferente da mundial. Enquanto o mundo joga há dias, temos que esperar até 09/10/2014.

    Lamentável.

    • Gustavo

      O erro não foi da EA, foi dos clubes brasileiros, que não previam em seus contratos com os jogadores que os direitos de imagem a eles pagos também eram referentes ao uso da imagem em jogos produzidos pela EA.
      A empresa pagava os direitos aos clubes e os clubes pagavam aos jogadores, mas sem previsão em contrato, o que possibilitou a demanda judicial.
      Admito que foi sacanagem não colocar os clubes brasileiros, mas temos que considerar que a EA também foi sacaneada pelos clubes.
      Eu não tenho o mínimo interesse em comprar o Fifa 15, justamente porque não poderei jogar com os times brasileiros. Se ninguém comprasse o game no Brasil, talvez eles repensassem e lançassem um patch ou incluíssem os brazukas de volta no Fifa 16!

      • Andres

        Gustavo, vc tem total razao. Sou jornalista e estou escrevendo sobre isso. Vc tem contato? Gostaria de te entrevistar sobre isso….

  • jaja

    Recessão do futebol na globo?? Onde? Apesar da inflação a Globo conseguiu aumento das receitas em um ano posterior ao de uma copa do mundo no país onde todo publicitário só injetava dinheiro em qualquer coisa com futebol… Não vejo recessão alguma. Só o futebol de jogo jogado que está falido mesmo com um bando de zé roela ganhando milhões e que não servem para engraxar as chuteiras dos craques de 20 anos atrás.

MaisRecentes

Levir Culpi x Fluminense: processo vira segredo de Justiça



Continue Lendo

Copa América-2019: Impasse contratual aumenta atraso na organização



Continue Lendo

‘Momento é delicado e precisamos reorganizar o esporte’, avalia João Derly



Continue Lendo